política
  • (11) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Para coordenação do MST, conflito foi reação às provocações da polícia Hoje, a presidente Dilma se reuniu com representantes do movimento, mas não chegou a conversar sobre a manifestação

Grasielle Castro - Correio Braziliense

Publicação: 13/02/2014 12:43 Atualização: 13/02/2014 12:55

O integrante da Coordenação Nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Alexandre Conceição, minimizou nesta quinta-feira (13/2) o conflito entre os ativistas do movimento e a polícia na passeata que ocorreu na tarde de quarta-feira (12/2). De acordo com Alexandre, os ativistas reagiram ao tratamento de um grupo da polícia. "Não descemos com nenhum tipo de arma, como alguns noticiaram por aí. Nossa marcha foi muito pacífica, mas, infelizmente, houve uma provocação severa de um grupo de policiais, que parece que o governo local pode estar investigando. Me parece que o grupo que foi provocar a violência de ontem é um grupo insatisfeito com o governo", alegou.

Na avaliação de Alexandre, a provocação foi muito forte. "Teve tiros de bala letal, bala de borracha, bomba de gás, spray de pimenta, inclusive aquela arma que dá choque. Está muito claro que houve provocação. A provocação aconteceu e o nosso povo reage porque ninguém é de ferro", disse. Segundo ele, 12 ativistas foram atingidos no confronto. "Mas estamos muito satisfeitos com os resultados do ponto de vista da mobilização", pontuou.

Leia mais notícias em Política

De acordo com o ministro do Desenvolvimento Agrário, Pepe Vargas, a presidente Dilma Rousseff não chegou a conversar com os representantes do MST na reunião sobre a manifestação. "Mas é evidente que a presidente e o governo repudia toda e qualquer manifestação que não seja pacífica. Entendemos que o direito de reivindicar, mas com clima pacífico", completou. O ministro destacou que a própria coordenação do movimento barrou os excessos de alguns manifestantes. "Justamente por ser um movimento político, com uma pauta específica e disposição de dialogar com a instituição democrática do país", destacou.

Reivindicações

Em reunião com a presidente, os representantes do MST entregaram uma carta com as principais queixas com relação à reforma agrária. De acordo com Alexandre, o pleito do grupo é que o governo assente até o fim do ano as 100 mil famílias que estão nos acampamentos do MST. O governo, por outro lado, diz que a expectativa é assentar entre 30 mil e 35 mil famílias nesse período.

O ministro, entretanto, argumenta que os estudos são amplos e fazem com que o processo seja um pouco mais demorado. Por isso, segundo ele, seria irresponsabilidade dizer que vai atingir a meta proposta pelo MST em um ano. "Queremos qualidade com quantidade. É um processo que é mais demorado no início, mas depois deslancha. Ano passado foram 100 decretos, mais que a soma dos outros dois anos", exemplifica. "Visando o que a presidente Dilma Rousseff determina, eu quero assentar com qualidade", pontuou Vargas.

Para Alexandre, entretanto, é preciso que o governo reveja algumas medidas. "Se o MDA não tem capacidade, que o governo dê suporte para atender a meta", sugere. De acordo com ele, os níveis de concentração de terra no país são semelhantes aos verificados em 1929.

Esta matéria tem: (11) comentários

Autor: geraldo santos
No meio desse movimento justo, existem oportunistas e baderneiros que se aproveitam para mostrar quem são e ficar no anonimato. Cacete neles. | Denuncie |

Autor: Alvaro Brito
Onde foi isso? Em frente ao Planalto? Porque não tinha mais policiais? | Denuncie |

Autor: Jl Madeira
O que se viu foi exatamente o que aconteceu em Eldorado dos Carajás. PMs ficaram acuados. A única diferença, é que aqui os PMs não atiraram na direção dos agressores. Se eu estivesse no lugar dos PMs, eu teria atirado para defender minha vida. | Denuncie |

Autor: inacio nascimento
Nao tenho visto qualquer repressão ao direito a MANIFESTACAO. O que estamos vendo são criminosos infiltrados nos MOVIMENTOS , isso , a sociedade Brasileira não aceitam e as autoridades tem que reprimir e prender aqueles que usar a violência. A policia agiu corretamente. | Denuncie |

Autor: Daniela Dutra
Este integrante da Coordenação é um fanfarrão. Chega ao ridículo de dizer que um grupo de PMs agrediu os sem-terra politicamente. Quem estava lá viu: membros do MST que mais pareciam capangas do que trabalhadores, agindo com ignorância e provocando os policiais que faziam cordão para não passarem. | Denuncie |

Autor: josivaldo souza souza
Nosso problema é a miséria pois pessoas abastadas não vivenciam a plenitude desses sofrimentos, pois eles têm sua própria rede de proteção além de muitos recursos e não experiênciam desses abusos que acontecem sejam com negros, brancos, amarelos, índios ,mestiços, cafuzo, mameluco, homossexuais. | Denuncie |

Autor: josivaldo souza souza
Temos mais um movimento favorável a poucos! O maior sofrimento do brasileiro é ausência de educação, saúde e segurança de qualidade (Essas deficiências, com fins eleitoreiros, são geradas para alimentar a corrupção generalizada do Estado). continua ...... | Denuncie |

Autor: josivaldo souza souza
O Brasil continua sendo uma colônia de exploração, há 514 anos! O MST deseja as terras dos contribuintes e privilégios! O MST é um movimento corrompido pelo comércio ilegal de terras, e que de fato ñ tem favorecido o homem do campo que realmente precisa. continua...... | Denuncie |

Autor: antonio costa
O governo tem que fazer uma varredura nesses movimentos e saber realmente quem é sem terra. A maioria são vagabundos comendo as custas dos nossos impostos. Claro que tem muita ente de boa fé agora precisa separar o joio do trigo isso sim é verdade tem muitos oportunistas que querem ser canditado | Denuncie |

Autor: Jucones Giraldi
O projeto de lei que criminaliza o terrorismo já tem alguma serventia, pois terá que ser usado contra esses arruaceiros sanguessugas do MST. | Denuncie |

Autor: José Oliveira
Todo mundo é inocente, a polícia é que está errada. Fala sério. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

:: Publicidade



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas