política
  • (2) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Agentes estrangeiros atuarão no esquema de segurança durante a Copa Eles vão atuar em duas frentes, tanto nas ruas quanto nos centros de monitoramento

Publicação: 16/02/2014 07:00 Atualização: 15/02/2014 19:09

CICC nacional de Brasília: centro principal funciona no edifício da Polícia Rodoviária Federal. Já a unidade regional fica na sede da SSP-DF (Ed Alves/CB/D.A Press - 10/2/14)
CICC nacional de Brasília: centro principal funciona no edifício da Polícia Rodoviária Federal. Já a unidade regional fica na sede da SSP-DF

Na reta final da preparação para a Copa do Mundo, o esquema de segurança começou a ser traçado com a ajuda das polícias dos países que atuam no Mundial. Assim como ocorreu no planejamento de segurança do torneio promovido na África do Sul em 2010, o Brasil contará com pelo menos dois agentes de cada delegação. Eles vão atuar em duas frentes, tanto nas ruas quanto nos centros de monitoramento. Apesar da participação de polícias estrangeiras, elas não estarão livres para exercer função plena no país. O titular da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos (Sesge), Andrei Augusto Passos Rodrigues, esclarece que esses agentes estarão desarmados e serão supervisionados por um oficial brasileiro.

Leia mais notícias em Política


Mesmo com a expectativa de protestos durante o evento esportivo, esses profissionais não são classificados como reforço policial, embora o trabalho deles seja considerado como uma espécie de reforço na área de inteligência. A ideia é que toda a segurança envolvida no evento trabalhe em conjunto. De acordo com Rodrigues, representantes das 32 seleções terão assento no centro de cooperação policial internacional. “Lá, ocorrerá a troca de informações. O agente de segurança receberá dados e informações de seu país e retransmitirá para a operação no Brasil”, diz. O trabalho realizado em solo nacional também será repassado para as bases de segurança e inteligência das demais delegações.

Além desse tipo de cooperação com agentes que ficarão nos centro de monitoramento, as delegações poderão enviar policiais para atuar nas ruas, chamados de spotters. Eles estarão livres para fazer a segurança em locais como as Fun Fest — festas que serão feitas nas imediações dos estádios. A intenção, segundo Rodrigues, é fazer com que o turista estrangeiro se sinta mais à vontade no trato com os policiais. “Eles farão a interlocução com seus nacionais. Para o torcedor estrangeiro, é uma ação importante ter a referência do próprio policial”, destaca o secretário.

 

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (2) comentários

Autor: jose manoel mendes
Sim, ótimo, só que, sairão decepcionados, se tiverem que presenciar em algum caso, a aplicação da lei brasileira. Pois a deles, com poucas exceções, são duríssimas. Nesse mitiê, a FIFA saiu perdendo, pois manda em tudo. | Denuncie |

Autor: Joel Barros
JÁ Q A DEMOCRACIA PLENA, PERMITE A PARTICIAÇÃO DE TODOS OS PAÍSES C/LIVRE... NADA MELHOR Q OS SEUS OBSERVADORES, TORCEDORES, ETC. TM FAÇAM PARTES DAS ATIVIDADES, DENTRO DOS LIMITES DA SOBERANIA NACIONAL | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.