política
  • (4) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Manifestantes reclamam que negociações com o Planalto estão paradas Lideranças dos movimentos sociais reclamam que a tentativa da presidente Dilma de abrir negociação, após os protestos de junho do ano passado, ficou apenas na promessa. Principal queixa é de que a pauta de negociações "não anda"

João Valadares

Grasielle Castro - Correio Braziliense

Publicação: 23/02/2014 08:00 Atualização:

PMs prendem manifestante após tumulto na parte central de São Paulo, no começo da noite de ontem: portas de banco quebradas, fachadas pichadas e orelhões depredados ( TOPSHOTS/AFP PHOTO/NELSON ALMEIDA )
PMs prendem manifestante após tumulto na parte central de São Paulo, no começo da noite de ontem: portas de banco quebradas, fachadas pichadas e orelhões depredados


A construção da imagem de uma presidente sensível aos movimentos sociais e aberta ao diálogo, iniciada após as manifestações de rua que sacudiram o país em junho do ano passado e puxaram para baixo a popularidade da chefe maior da nação, ainda está longe do resultado esperado. Na prática, o Palácio do Planalto continua com as portas fechadas. Integrantes do Movimento Passe Livre, Articulação dos Povos Indígenas do Brasil, grupos LGBT e sem-terra atestam que o esforço empreendido por Dilma Rousseff logo após os protestos, recebendo os principais líderes e, pela primeira vez na gestão, representantes dos povos indígenas, não passou de uma tentativa frustrada de estabelecer uma mesa permanente de negociação. Todos são unânimes em afirmar: “A pauta não anda”.

Leia mais notícias de Polítiica


O governo sabe disso e aposta todas as fichas no ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, numa tentativa de estreitar o diálogo com os movimentos sociais e conter os ânimos em ano eleitoral. O ministro foi requisitado pelo PT para participar do núcleo de articulação da campanha de reeleição da presidente Dilma Rousseff. A tendência é de que ele permaneça no governo para ser o homem da contenção. A informação oficial é de que o governo federal redistribuiu todas as demandas e atesta que está monitorando o desempenho de cada pasta.

Um dos integrantes do Movimento Passe Livre no Distrito Federal, Paique Duque, que se reuniu com Dilma em junho do ano passado, diz que não houve avanço. “No ano passado, fomos convidados para centenas de reuniões em todo o país, mas esse diálogo não resultou em medidas concretas para a modificação da pauta central. O que estamos vendo é aumento de tarifa. No Rio de Janeiro, já ocorreu. Deixamos claro para a presidente que a nossa principal luta é a tarifa zero”, explicou.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (4) comentários

Autor: antonio costa
A mesma coisa com o MST se verificar todas as lideranças vivem comendo as nossas custas, são na maioria fagabundos que não sabe, plantar um feijão. Esa é minha humilde opinião. Claro que a reforma agrária séria deveria ser feita mas com responsabilidade. O cara pega a terra vende e volta para o MST. | Denuncie |

Autor: antonio costa
Gente essas pessoas que defendem tarifa zero para o transporte não entendem que alguém tem que pagar essa conta. Será que a empresa vai trabalhar de graça os funcionários vão trabalhar de graça. Pelo amor de Deus chega de hipocrisia desses falsos socialistas. quero ver se na casa deles | Denuncie |

Autor: VASCO VASCONCELOS
Infelizmente a Presid da Repúblia não escuta a voz rouca dos Movimentos Sociais Pacíficos, entre os Mov.dos Bel em Direito (Advs), que exigem o fim da escravidão contemporânea da OAB.Há 17 anos OAB vem se aproveitando dos gov. fracos p/impor s/ Exame caça-níquei$$$ triturador de sonhos e diplomas | Denuncie |

Autor: Denisar belvedere
NO ANO DE 2012, MAIS DE 50 CATEGORIAS DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS ENTRARAM EM GREVE POR REPOSIÇÃO SALARIAL, ALGUMAS CATEGORIAS SEM REAJUSTE A MAIS DE SEIS ANOS. EM NENHUM MOMENTO O GOVERNO FEDERAL RECEBEU QUALQUER REPRESENTANTE DAS CENTRAIS SINDICAIS PARA NEGOCIAR. JÁ COM O MST FOI BEM DIFERENTE. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.