política
  • (5) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

PF gasta R$ 5,4 milhões em um ano com remoções de servidores por ofício Ajudas de custo individuais, para bancar passagens e transporte de móveis, chegam a R$ 69 mil

Renata Mariz

Publicação: 24/02/2014 06:00 Atualização: 24/02/2014 08:03

O vaivém de servidores da Polícia Federal, removidos de ofício, por canetada da direção da instituição, consumiu mais de R$ 5 milhões em apenas um ano em pagamento de ajudas de custo. Dados obtidos pelo Correio mostram que, dos 200 profissionais transferidos internamente no Brasil, de agosto de 2012 a julho de 2013, 20% embolsaram individualmente mais de R$ 50 mil. Dois delegados chegaram a levar R$ 69 mil ao serem deslocados. Os recursos — que custeiam a passagem aérea do servidor e de seus dependentes, além dos gastos com mobiliário — somam 10% de tudo que a PF pretende investir, neste ano, no Centro Integrado de Inteligência Policial e Análise Estratégia (Cintepol).

Leia mais notícias de Política

Entre os 200 beneficiários das remoções realizadas pela PF naquele ano, sob a justificativa legal de interesse da administração, mais de 60% (ou 130) eram delegados. Detentores de outros cargos dentro da carreira policial da instituição também foram transferidos de ofício com ônus para o Estado: 30 peritos, 28 agentes, 11 escrivães e um papiloscopista. Juntos, esses profissionais receberam R$ 1,5 milhão a título de ajuda de custo. No caso dos delegados, o montante desembolsado pela administração pública chegou a R$ 3,9 milhões. O total gasto é de R$ 5,4 milhões.

Chama a atenção o caso de dois profissionais cujas ajudas de custo, por poucos reais, não atingiram R$ 70 mil. Um deles é um delegado que, em maio do ano passado, foi removido da superintendência da PF na Paraíba, em João Pessoa, para a mesma unidade no Recife. A distância entre as duas cidades é de aproximadamente 120km. O valor para custear três passagens aéreas e um mobiliário ficou em R$ 69,8 mil. A outra transferência pesada para o contribuinte foi a de um delegado que saiu da superintendência da instituição em Palmas para a localizada em Cuiabá, em junho de 2013. No caso, também foram pagos três bilhetes aéreos e o transporte de móveis.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (5) comentários

Autor: Marcos Oliveira
Isso sem contar as faras das diárias. Muitas chefias antes ganham meses de diárias antes de sair da portaria que já ia nomeá-los. Enquanto isso a própria PF tem que racionar em custos essenciais. | Denuncie |

Autor: alvailton santos
A PF esta incomodando gente grande? | Denuncie |

Autor: joao almeida
Há alguns anos era comum um superintendente ser mantido até por mais de 10 anos no cargo, depois uma turma de novos delegados descobriram a mamata de remoção "sob interesse da administração". Criou-se uma ponte área. MPF, investigue para acabar com essa pouca vergonha! | Denuncie |

Autor: Maria Burtchell
E enquanto isso o salário dos Agentes e Escrivães permanece congelado há 8 anos. | Denuncie |

Autor: Eduardo Baiano
Isso é Brasil, nem a Polícia Federal escapa da corrupção. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas