política
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

CPI do Trabalho Infantil discute exploração crianças no carnaval Deputada afirmou que algumas medidas podem ser tomadas para evitar o uso de mão de obra infantil, como aumento da fiscalização do Ministério do Trabalho durante grandes eventos, e vistoria nos barracões de escolas de samba

Agência Brasil

Publicação: 25/02/2014 14:34 Atualização:

Deputadas da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Trabalho Infantil fizeram nesta segunda-feira (25/2) uma audiência pública para discutir o uso de mão de obra de crianças e adolescentes durante o carnaval do Rio. Entre as assuntos debatidos na reunião, ocorrida na Câmara dos Vereadores do Rio, estão o trabalho infantil em escolas de samba, a presença de crianças em barracas de comércio de rua junto com os pais e a exploração sexual de meninas e jovens.

Foi a terceira audiência sobre o trabalho infantil no carnaval. Antes do Rio, a comissão fez reuniões em Salvador e no Recife. Instalada em outubro do ano passado, a CPI tem até maio para concluir suas atividades.

Leia mais notícias em Política

Segundo a relatora, deputada federal Luciana Santos (PCdoB/PE), algumas medidas podem ser tomadas para evitar o uso de mão de obra infantil, como aumento da fiscalização do Ministério do Trabalho durante grandes eventos, e vistoria nos barracões de escolas de samba.

No caso do Rio, foi constatado que muitos ambulantes levam seus filhos para as proximidades do Sambódromo, porque não têm com quem deixar, ou porque querem ajuda das crianças. De acordo com a deputada, seria interessante que houvesse escolas e creches abertas no carnaval para acolher as crianças enquanto os pais trabalham.

Além disso, a deputada recomendou à prefeitura que aumente a fiscalização para punir ambulantes acompanhados de crianças e adolescentes. O representante da Guarda Municipal informou que o procedimento previsto pela prefeitura é apreender as mercadorias do ambulante e encaminhar a criança ao Conselho Tutelar.

Segundo a presidenta da CPI, Sandra Rosado (PSB/RN), as oportunidades econômicas geradas por grandes eventos não podem servir como motivo para explorar o trabalho infantil. “O lugar da criança é na escola. Ela pode se divertir no carnaval, mas trabalhar, não. Quero a compreensão de todos, e pedir que denunciem esse tipo de trabalho”, disse a parlamentar.

Sobre a exploração sexual de menores, o titular da Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima, Marcelo Braga, disse que a Polícia Civil fluminense investiga uma rede de turismo sexual que envolve boates e hotéis da zona sul do Rio.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas