política
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Passeata homenageia vítimas da ditadura e repudia violência policial Os manifestantes protocolaram um documento contra a violência policial e a repressão a protestos no Ministério Público Federal (MPF)

Agência Brasil

Publicação: 01/04/2014 21:22 Atualização:

Em torno de mil pessoas, segundo a Polícia Militar (PM), saíram em passeata nesta terça-feira (1/4), na Avenida Paulista, centro de São Paulo, para lembrar os 50 anos do golpe militar. Carregando caixões negros e fotografias, os manifestantes homenagearam os mortos e torturados em 21 anos de ditadura. Também foram homenageadas da mesma forma, vítimas da violência policial nos últimos anos.

Leia mais notícias em Política


A caminhada começou perto da Estação do Metrô Paraíso, percorreu toda a avenida e terminou em frente ao escritório da Presidência da República (PR). O grupo era formado principalmente por militantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), mas também teve apoio do Movimento Passe Livre e do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST).

Os manifestantes protocolaram um documento contra a violência policial e a repressão a protestos no Ministério Público Federal (MPF) e no escritório da PR. Entre as reivindicações apresentadas no texto estão: o abandono do uso de armas letais em protestos, fim das prisões por averiguação, uso obrigatório de identificação pelos policiais e a garantia de trabalho para jornalistas, advogados e outros profissionais que acompanham os protestos.

Segundo o coordenador do MTST, Wilson Maria das Dores, os valores da ditadura ainda repercutem na sociedade. “Uma prova disso é a PM. Para os policiais, na periferia só tem ladrão. Eles matam e não acontece nada. Tudo isso que está ocorrendo hoje é um reflexo da ditadura”, afirmou.

Adalgisa Sales disse que perdeu o neto, Bruno Wagner, no ano passado, morto por engano, por policiais militares. “Ele chegou do serviço cansado e com fome. Foi comprar uma pizza. Quando ele saiu no portão os policiais estavam tentando atirar em alguém. Uma bala pegou nele”, relatou a moradora do Jardim Macedônia, na região do Capão Redondo, zona sul paulistana.

Os manifestantes também criticaram o projeto de lei que tramita no Congresso Nacional para tipificar o crime de terrorismo. Para Wilson das Dores, o projeto pode restringir o direito de manifestação. “É um meio, pelo qual eles estão colocando em pauta, da gente não poder mais se manifestar na rua. Mas esse é o único meio que a gente tem de se manifestar e falar as coisas que estão erradas”.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas