política
  • (8) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Alexandre Padilha, ex-ministro da Saúde, vira alvo do PSDB e do DEM Citado pela PF nas investigações sobre a teia do doleiro preso, o pré-candidato ao governo de São Paulo agora é alvo da artilharia tucana

João Valadares

Publicação: 26/04/2014 09:41 Atualização:

Padilha cancelou a agenda de pré-campanha para se explicar à imprensa ( Breno Fortes/CB/D.A Press)
Padilha cancelou a agenda de pré-campanha para se explicar à imprensa
Pré-candidato ao governo de São Paulo, o ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha (PT), que deixou o comando da pasta há três meses para iniciar a articulação da campanha eleitoral na tentativa de derrotar o governador Geraldo Alckmin (PSDB), virou alvo da artilharia tucana após suspeita de ligação com o doleiro Alberto Youssef. Relatório da Polícia Federal sugere que o petista teria indicado um ex-assessor para trabalhar no laboratório de fachada de Youssef, líder de um esquema que movimentou R$ 10 bilhões. Ontem, o PSDB anunciou que acionará o Ministério Público Federal no Distrito Federal para apurar os fatos e também protocolar requerimento, em parceria com o DEM, para que Padilha preste esclarecimentos na Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara.

Na outra ponta, os aliados de Alckmin já se debruçam sobre todo o histórico de Marcus Cezar Ferreira de Moura, que, após deixar o Ministério da Saúde, virou o principal executivo da Labogen, utilizada pelo doleiro para fazer remessas ilegais de dólares ao exterior. Após Moura ter ido trabalhar no laboratório, a empresa de fachada chegou a firmar parceria de R$ 31 milhões com o Ministério da Saúde para produzir medicamentos por cinco anos. O convênio foi cancelado depois de denúncias da imprensa de que o doleiro comandava o laboratório suspeito.

Leia mais notícias em Política


O nome de Padilha surgiu em 28 de novembro de 2013. Naquele dia, a Polícia Federal interceptou troca de mensagens entre Youssef e o deputado federal André Vargas, que ontem se desfiliou do PT (leia mais na página 3). Os dois comentam sobre a indicação de Moura para a Labogen. O deputado paranaense, que renunciou ao cargo de vice-presidente da Câmara após a descoberta do envolvimento dele com Youssef, teria passado ao doleiro o contato do executivo e avisado que foi Padilha quem o indicou.

Marcus Cezar Ferreira de Moura trabalhava na coordenação de eventos do Ministério da Saúde. Filiado ao PT paulista entre 1994 e 2008, o ex-assessor chegou a trabalhar, em 2010, na campanha da presidente Dilma Roussef. Logo que deixou o Ministério da Saúde, em agosto de 2011, Moura foi para a Geap, entidade privada que, à época, administrava planos de saúde e de previdência. Dois ex-dirigentes da Geap, ouvidos pelo Correio em reserva, atestaram que Marcus dizia a todos ser amigo próximo do ex-ministro da Saúde e que estava no cargo por indicação dele. Lá, Moura foi assessor executivo parlamentar e de desenvolvimento de produtos e clientes.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (8) comentários

Autor: Alex Oliveira
Quer dizer então que a PF e todo mundo já esta sabendo da ligação do Padilha Labogen com o doleiro, num esquema de corrupção consumado, e pelo fato dos partidos de oposição estarem cumprindo com a obrigação deles, passam a ser perseguidores? Não entendi. | Denuncie |

Autor: José A. S. Neto
Estão querendo, na força, colocarem no poder AQUELES QUE NÃO FAZEM PARTE DA CLASSE TRABALHADORA ! ! ! Prestem atenção ! ! ! -------- Para amanhã, não reclamarem quando tiverem, novamente, O ESTADO ZERO ---- O ESTADO QUE NÃO SERVE PARA NADA ----- QUANDO OS TRABALHADORES SÓ TIVEREM AS MIGALHAS ! ! ! | Denuncie |

Autor: Francisco das Chagas Nunes
Daqui há alguns dias, o Sr. Padilha vai assumir que indicou seu assessor, mas "não sabia para quê". Petista e adjacentes nunca sabem de nada. Mas EU TENHO FÉ. A casa desses ordinários vai cair. Eleitor paulista, vocês vão eleger esse cidadão governador? | Denuncie |

Autor: Tarcísio Silva
"Se gritar pega ladão, não fica um meu irmão; se gritar paga ladrão, não fica um, oi"... Esta letra, de uma música popular brasileira, se encaixa perfeitamente bem na realidade dos políticos brasileiros! E o Brasil, pra onde vai? | Denuncie |

Autor: Antonio Neto
É esse cidadão que quer governar o estado mais rico do Brasil. peço olho bem aberto eleitores de SP. | Denuncie |

Autor: Ernani oliveira
PADILHA, AJOELHOU TEM QUE CHORAR!!!! | Denuncie |

Autor: Ernani oliveira
PADILHA, ABRA O JOGO E ENTREGUE O NOME DO BANDO. ESTAO ESQUECENDO O AGNELO NESSA HISTORIA. | Denuncie |

Autor: raimundo perna
Tem que acabar com as indicações para ministro do Supremo. Quando isso ocorrer, vai ter ladrão saindo pelo ladrão,Vai precisar dobrar o sistema prisional sem contar com a super população que irá ocorrer...e aí entrará em cena os direitos humanos | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas