política
  • (5) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

PT discute neste domingo a situação do pré-candidato Alexandre Padilha Nos bastidores, há o temor de que novas revelações enfraqueçam ainda mais a candidatura dele

João Valadares

Publicação: 27/04/2014 09:09 Atualização:

Padilha recebeu ontem apoio do PCdoB em São Paulo, enquanto o PSDB promete acionar o MPF para investigar o pré-candidato ao governo paulista (Breno Fortes/CB/D.A Press)
Padilha recebeu ontem apoio do PCdoB em São Paulo, enquanto o PSDB promete acionar o MPF para investigar o pré-candidato ao governo paulista
Diante da citação do nome de Alexandre Padilha (PT), pré-candidato ao governo de São Paulo, na Operação Lava-Jato, que investiga esquema de lavagem dinheiro e evasão de divisas com atuação de doleiros em torno de R$ 10 bilhões, a bancada federal da legenda no estado se reúne hoje emergencialmente com o ex-ministro da Saúde para avaliar o estrago eleitoral da denúncia. O encontro não foi divulgado oficialmente. No discurso, petistas avaliaram como bastante positivo o posicionamento do ex-ministro, que negou ligação com o doleiro Alberto Youssef, e não cogitam a substituição do nome dele para a disputa eleitoral. No entanto, nos bastidores, há o temor de que novas revelações enfraqueçam ainda mais Padilha, que ainda patina nas pesquisas de intenção de voto.

Leia mais notícias em Política

Um parlamentar petista ouvido reservadamente pelo Correio afirmou que a substituição do pré-candidato não foi ventilada no momento, mas “é preciso esperar, porque ainda não sabemos se vem mais coisa por aí”. A avaliação é de que, até agora, as denúncias contra o ex-ministro são “fofas demais e não o vinculam diretamente ao doleiro Alberto Youssef (considerado líder da organização criminosa)”.

Em 2006, em Pernambuco, o senador Humberto Costa (PT-PE) viveu situação parecida. Na ocasião, ele era candidato ao governo do estado contra o governador Medonça Filho (DEM). Ocupava o segundo lugar com folga nas pesquisas, até a Polícia Federal desencadear, em maio, a chamada Operação Sanguessuga, que apurou a máfia das ambulâncias na época em que o petista era ministro da Saúde. Como consequência, Eduardo Campos (PSB) cresceu nas pesquisas, Humberto Costa ficou de fora do segundo turno e o socialista venceu o pleito. Posteriormente, o petista pernambucano foi inocentado de qualquer envolvimento com o esquema investigado.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (5) comentários

Autor: jose abel brina olivo
O que o partido deveria fazer e discutir a conduta de seu filiado durante o exercício da função publica, não depois que a vaca foi pro brejo¹ | Denuncie |

Autor: José A. S. Neto
Então o esquema que DEU GOLPE EM PERNAMBUCO está sendo REPETIDO EM SÃO PAULO ! ! ! A apelação está demais ! ! ! ------ Isto é vergonhoso ! ! ! ------ Isto é criminoso ! ! ! | Denuncie |

Autor: Alex Oliveira
O 3º poste do Lula já éra. A missão impossível agora é achar um que não tenha uma ficha corrida muito extensa. | Denuncie |

Autor: Josemar Soares Freire Freire
CORRAM PETISTAS CORRUPTOS, PARA SALVAR A ELEIÇÃO DE NOSSA HEROÍNA. LAMENTÁVEL, TEMOS QUE, ATRAVÉS DAS URNAS TIRARMOS ESSA CAMBADA. | Denuncie |

Autor: Ernani oliveira
MAIS UM DO PARTIDO DOS TRABALHADORES DA DILMA ENROLADO COM DESVIO DE GRANA! FORA PADILHA!!@ | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas