política
  • (2) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Sem Dilma, Campos e Aécio aproveitam palanque da Marcha dos Prefeitos Vaiada nas últimas duas edições da Marcha dos Prefeitos, a petista desiste de participar do evento e assegura o palanque para Aécio Neves e Eduardo Campos na presença de 3 mil prefeitos em Brasília

Paulo de Tarso Lyra - Correio Braziliense

Andre Shalders - Correio Braziliense

Publicação: 15/05/2014 06:08 Atualização: 15/05/2014 08:10


Aécio Neves: 'Em 1999, estávamos alinhados com Rússia, Índia e China, formando os Brics. Hoje, estamos próximos da Indonésia e da Turquia, compondo os Freaks (anormal em inglês)' (Bruno Peres/CB/D.A Press)
Aécio Neves: "Em 1999, estávamos alinhados com Rússia, Índia e China, formando os Brics. Hoje, estamos próximos da Indonésia e da Turquia, compondo os Freaks (anormal em inglês)"


Os dois principais presidenciáveis da oposição, Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB), aproveitaram a ausência da presidente Dilma Rousseff na XVII Marcha a Brasília em defesa dos Municípios para prometer ao prefeitos políticas públicas municipalistas e atacar o governo federal, acusando-o de centralizador. “Um país complexo como o Brasil não pode ser governado de maneira unitária e centralizadora”, disse Aécio. “A história nos mostra que os recursos públicos só ficaram concentrados em Brasília nos momentos em que o país viveu períodos de exceção”, afirmou Campos.

Leia mais notícias de Política


Muito aplaudidos pelos 3 mil prefeitos presentes no evento, tanto o tucano quanto o socialista criticaram a ausência de Dilma no evento. “O problema do país não são os brasileiros, e sim esse governo, que age sem compromisso com o crescimento e sem responsabilidade”, criticou Aécio. “Eu estou aqui em sinal de respeito ao povo que elegeu vocês, em respeito à vontade popular que os conduziu ao cargo para cuidar das necessidades de suas cidades”, disse o presidenciável do PSB.

Campos: 'Os recursos públicos só ficaram concentrados em Brasília nos momentos em que o país viveu períodos de exceção' (Bruno Peres/CB/D.A Press)
Campos: "Os recursos públicos só ficaram concentrados em Brasília nos momentos em que o país viveu períodos de exceção"


Pela primeira vez desde que foi eleita, em outubro de 2010, a presidente Dilma Rousseff não compareceu à marcha dos prefeitos. Ela foi vaiada em 2012 e em 2013. No primeiro ano, as queixas estavam concentradas na exclusão dos municípios da distribuição dos recursos do pré-sal. No ano passado, os apupos estavam relacionados à recusa de apoiar o aumento do percentual de recursos destinados ao Fundo de Participação dos Municípios (FPM).

Ausência
Segundo apurou o Correio, a presidente avaliou que o encontro de prefeitos de ontem transformou-se em um palco para os discursos oposicionistas. Por isso, optou, de última hora — a decisão final só foi tomada após as 22h da noite de terça — por não comparecer ao debate promovido pelo presidente da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), Paulo Ziulkoski, com quatro presidenciáveis: além de Aécio e Eduardo, estavam presentes Randolfe Rodrigues (PSol) e Pastor Everaldo (PTC).

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (2) comentários

Autor: Antonio Silva
Me diga um lugar onde Dilma não é vaiada... só se for na convenção do PT... | Denuncie |

Autor: vanio almeida
Eu votei nessa presidenta mas errei; ela não governa direito, o país está uma bandidagem - aqui em brasília está perigoso sair às ruas a noite. O Brasil precisa de ter pena de morte para crimes hediondos ( latrocínio; estupro e corrupção ). O dinheiro do povo está indo pro ralo da corrupção. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas