política
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Aécio diz que falhas em obras da Copa do Mundo atormentam Lula Tucano classifica como 'bobagem' artigo em que o petista afirma que segmentos torcem pelo fracasso da Copa. Para ele, o texto reflete a constatação de erros na execução de obras

Isabella Souto

Publicação: 16/05/2014 10:19 Atualização:

O ambientalista Fabio Feldmann (E), que vai integrar o time de Aécio, reuniu-se com o pré-candidato tucano e com Anastasia  (Igor Estrela/OrbitroNews)
O ambientalista Fabio Feldmann (E), que vai integrar o time de Aécio, reuniu-se com o pré-candidato tucano e com Anastasia

A 28 dias da Copa do Mundo, o maior evento esportivo do planeta foi motivo de novo embate nessa quinta-feira entre PT e PSDB – os dois principais partidos a disputarem a Presidência da República nas eleições de outubro. O senador e pré-candidato tucano, Aécio Neves, disse que o ex-presidente Luíz Inácio Lula da Silva (PT) deve estar “atormentado”– em resposta a artigo publicado pelo petista no jornal espanhol El País, em que escreveu que “há segmentos” que parecem torcer pelo fracasso da Copa no Brasil para se viabilizar eleitoralmente.

Leia mais notícias em Política


“Talvez seja o ex-presidente atormentado por aquilo que o ministro Gilberto Carvalho já disse, que seu governo fracassou e falhou na execução de muitas dessas obras (da Copa)”, afirmou Aécio Neves, que participou nessa quinta-feira em São Paulo de reunião com coordenadores de sua campanha. Para o senador mineiro, que também preside o PSDB nacional, as declarações de Lula são uma “grande bobagem”. “Todos nós somos brasileiros e vamos torcer para que o Brasil vença esta Copa”, completou. No entanto, ele ressaltou que várias obras de mobilidade urbana prometidas pelo governo federal não foram concluídas.

O senador aproveitou ainda para destacar que o governo Dilma Rousseff (PT) está “muito assustado antes da hora”, em razão de pesquisas de intenções de votos que apontam o desejo de mudança por parte de 70% dos entrevistados. E criticou o que qualificou de “terrorismo” promovido pelo PT na propaganda partidária veiculada nas emissoras de rádio e televisão. A mensagem passada pela publicidade é a de que é preciso ter medo de uma volta ao passado com a perda de avanços conquistados pelo país nos últimos 12 anos – período em que o Brasil vem sendo governado pelo PT

Para o tucano, com o programa, o PT “carimba na sua própria testa um atestado de fracasso. Se, depois de praticamente 12 anos governando o Brasil, o que eles têm a oferecer aos brasileiros é o terrorismo, é o medo, acho que é muito pouco", disse. “Tenho absoluta convicção de que os brasileiros não estão com medo da volta ao passado, estão com medo de o PT continuar no governo", ponderou. O pré-candidato do PSDB já havia dito, esta semana, em nota, que o PT “não se envergonha de assustar e ameaçar a população para tentar se manter no poder”.

Meio Ambiente
A campanha do PSDB ganhou nessa quinta-feira o reforço do ambientalista Fabio Feldmann, ex-colaborador da ex-senadora Marina Silva (PSB), cotada para candidatar-se a vice-presidente na chapa encabeçada por Eduardo Campos (PSB). Um dos principais nomes do setor, o ex-deputado federal constituinte é responsável por grande parte da legislação ambiental brasileira e tem atuação destacada como fundador e primeiro presidente da Fundação SOS Mata Atlântica, além de membro do Conselho do Greenpeace Internacional, da Conservation Internacional (CI) e do Global Reporting Initiative (GRI).

“Estamos montando um time extraordinário que criará um conjunto de propostas. Um time que não é do PSDB apenas, mas a favor do Brasil. Fabio é uma das mais respeitadas lideranças, nacional e internacionalmente, na área da sustentabilidade. Poderemos ter propostas atuais e ousadas para garantir o desenvolvimento sustentável do Brasil”, afirmou o pré-candidato, ao anunciar o nome do aliado, em reunião no diretório do PSDB em São Paulo. A economista Carla Grasso foi confirmada como coordenadora executiva do plano de governo tucano, comandado pelo ex-governador de Minas Gerais Antonio Anastasia (PSDB).

Nanicos

O secretário da Casa Civil do governo de São Paulo, Edson Aparecido, foi escalado para fazer a ponte entre Aécio Neves e um bloco de seis partidos nanicos na campanha nacional tucana. A articulação envolve o PTN, PTC, PT do B, PMN, PSL e PEN. Cálculos do PSDB apontam que o grupo traria 20 segundos para a propaganda eleitoral da chapa. Graças ao apoio já garantido do DEM e do Solidariedade, o PSDB teria até agora pouco mais de quatro minutos.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas