política
  • (3) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Congressistas deixam de trabalhar para dar prioridade à campanha eleitoral Ontem a Câmara e o Senado estavam vazios. Até a Copa, a expectativa é de que haja votações hoje, terça e quarta da semana que vem

Amanda Almeida

Paulo de Tarso Lyra - Correio Braziliense

Publicação: 04/06/2014 08:30 Atualização: 04/06/2014 08:40

O contribuinte brasileiro desembolsará R$ 727,8 milhões para custear o Congresso durante a Copa do Mundo, mas o recurso investido não será necessariamente revertido em produtividade dos parlamentares. Na segunda-feira (3/6), dia em que geralmente não há análise de projetos, mas houve convocação dos presidentes da Câmara e do Senado com o argumento de suprir as ausências durante o Mundial, congressistas deram mostras do que será prioridade para eles nos próximos meses: campanha eleitoral. Enquanto o plenário das duas Casas ficou vazio, ausentes assumiram nas redes sociais que passaram o dia em seus redutos eleitorais.

Foto publicada mostra campanha eleitoral no lugar do esforço concentrado (Instagram/Reprodução)
Foto publicada mostra campanha eleitoral no lugar do esforço concentrado

A Câmara prevê oito sessões deliberativas - aquela em que há análise de matérias - durante a Copa. Já o Senado planeja quatro reuniões. Nos corredores, porém, congressistas e assessores parlamentares assumem que as Casas devem ficar vazias até nos poucos dias em que há a previsão de votações. “É torcer para o Brasil perder no início para ver se há algum trabalho no Congresso durante o Mundial”, disse um assessor. Além do evento, convenções de vários partidos para decisões sobre as eleições deste ano devem contribuir para a queda do quórum nos plenários.

Leia mais notícias em Política

Depois do fiasco de segunda-feira, houve votações ontem (veja mais na página 3), segundo dia de esforço concentrado nas duas Casas. Porém, terça-feira já é normalmente dia de sessões deliberativas na Câmara e no Senado. Nesta fase pré-Copa, a expectativa é de que ontem, hoje e as próximas terças e quartas sejam, na prática, os últimos dias do “esforço concentrado”.

Na segunda-feira, a preferência foi continuar nas bases eleitorais, deixando de lado as sessões extras, que acabaram sem quórum para votações. “Com os amigos e aliados prefeitos Cristiano Beltrão (Ilha das Flores), Alexandre Martins (Pacatuba) e amigo Igor Oliveira (Poço Verde), traçando e planejando estratégias”, registrou o deputado André Moura (PSC-SE), como legenda de uma foto publicada em uma rede social. Ele foi um dos 264 parlamentares que não registraram presença na Câmara.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (3) comentários

Autor: JORGE LUIZ
Estão enganjados para se manterem no poder:Gabinete,ar condicionado,cafezinho,motoristas,seguranças,moradia,entre outras mordomias,ó povo brasileiro,"acordem"não sejamos''burros'' e ''ignorantes'' para manterem esses''caras'' e no poder chega,até quando,nós,eleitores,iremos tomar vergonha na cara... | Denuncie |

Autor: Jean Car
Dinheiro dos impostos é que não faltam para pagar toda esta "festança"!!!! VERGONHA!!! Brasil e o povo em último plano mesmo!!!! | Denuncie |

Autor: Jarbas Teixeira
Trabalhar? Que trabalho que eles faziam lá? | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas