política
  • (5) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Aécio e Eduardo Campos criticam quantidade de ministérios em 12 anos de PT Dilma, por sua vez, afirma que o corte de pastas defendido pelos adversários atingirá pastas importantes para setores da sociedade civil

France Presse

Publicação: 31/07/2014 08:26 Atualização: 31/07/2014 09:06

Na tentativa de traçar um perfil técnico que agrade ao empresariado, Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB) se alinharam, ao falar para a plateia na Confederação Nacional da Industria (CNI), nos ataques à presidente Dilma Rousseff (PT). Os dois reclamaram de inchaço da máquina pública e prometeram reduzir a estrutura do governo. Já a petista defendeu os 39 ministérios mantidos pela atual gestão e devolveu as críticas questionando quais pastas estão na mira dos adversários.

Aécio e Eduardo não detalharam quais ministérios cortariam caso fossem eleitos. O tucano disse que a redução de pastas está sendo estudada pela equipe e que, provavelmente, a proposta final será acabar com cerca de metade das pastas. “Isso não quer dizer que as políticas públicas tocadas por esses ministérios deixem de ser importantes. Quando Fernando Henrique deixou o governo, tínhamos 23. Hoje, tem ministérios existem para acomodar militantes políticos”, disse o tucano.

Leia mais notícias em Política

Em resposta, Dilma insinuou que os adversários vão mexer em pastas que tratam de setores da sociedade civil organizada. “Querem acabar com o status de ministério que tem a Secretaria das Mulheres? Direitos Humanos, estão querendo acabar com o status de ministério? Então, não vamos dar tanto respaldo a toda essa necessidade de criar um programa de combate à tortura no Brasil. Rigorosamente não são do tamanho da Fazenda, mas têm sentido político em ser ministério”, defendeu.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (5) comentários

Autor: Gustavo Jesus
Não só é necessário reduzir os Ministérios como também diretorias de diversas instituições públicas, como exemplo o Banco do Brasil, hoje com 33 (trinta e três) vice-presidentes, servindo não ao banco mas aos seus partidos e sindicatos. | Denuncie |

Autor: Sandro Araújo
continua... Quem mesmo começou com essa barganha de acomodar afiliados e militantes na Esplanada? Quem criou um prejuízo maior para a sociedade? O óbvio só é óbvio para a mente preparada. Qual das secretarias ou ministérios os dois vão extinguir? Falar como candidato é mole. Duro é não se render. | Denuncie |

Autor: Sandro Araújo
É bom ouvir estes dois candidatos fazendo estas críticas. É cômico até. Vamos à Matemática: fim do governo Collor(12 ministérios); fim do governo FHC (23 ministérios), aumento de 110 por cento; fim do governo Lula (34 ministérios), aumento de 48 por cento do governo FHC. | Denuncie |

Autor: Raimunda Santos
Quantidade não significa qualidade, pois o serviço ministerial piorou e muito. Mas o PT só aumenta Ministérios no Governo Federal e Secretarias no GDF para empregar os sindicalistas. No Governo Federal tem um monte que não conhece o serviço. E só estão inventando concurso para ganhar voto. | Denuncie |

Autor: jorge almada
Aécio está certo em reduzir os ministérios. O excesso de ministério é um prejuízo para a Nação, gastos na sua manutenção, cabides de empregos, atrasos na tomadas de decisões, além de se tornarem inoperantes e incompetentes nas decisões fundamentadas nos interesses políticos partidários. Acorda BR! | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas