política
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Em Brasília, Campos tinha agendas extensas e pouco tempo de descanso Presidenciável levava uma vida apressada na capital da República, com dias pautados por trabalho e viagens. Mesmo assim, escolheu restaurantes preferidos e conseguiu manter o hábito de correr ao ar livre

Andre Shalders - Correio Braziliense

Isa Stacciarini

Publicação: 15/08/2014 06:05 Atualização: 15/08/2014 11:33

O Parque da Cidade era o local escolhido por Eduardo Campos em Brasília para fazer as suas longas caminhadas. Lá ele também aproveitava para costurar articulações políticas (Alan Marques/Folhapress - 5/10/13)
O Parque da Cidade era o local escolhido por Eduardo Campos em Brasília para fazer as suas longas caminhadas. Lá ele também aproveitava para costurar articulações políticas

 

Há quase 20 anos, o presidenciável Eduardo Campos (PSB), morto na última quarta-feira, assumia seu primeiro cargo público em Brasília, quando foi eleito deputado federal. Ex-colegas e assessores do político pernambucano contam que a rotina de Campos em Brasília era dominada por agenda extensa de compromissos de trabalho, com poucas pausas para apreciar a cidade.

Mas os raros momentos de distração do socialista no Planalto Central ocorriam durante as refeições, nas quais geralmente era acompanhado por correligionários, amigos e assessores. Quando possível, Campos também usava as áreas públicas da cidade para cultivar o antigo hábito de correr ao ar livre. Em outubro passado, por exemplo, foi visto correndo no Parque da Cidade com o candidato ao governo do Distrito Federal pelo PSB, Rodrigo Rollemberg.

O único endereço de Campos em Brasília foi a antiga Academia de Tênis, no Setor de Clubes Norte, onde residiu durante um breve período após ser eleito deputado federal, em 1995. Depois disso, a vida do chefe do PSB se dividia entre os hotéis e a casa no bairro de Dois Irmãos, onde a família residia, em Recife. “A rotina de trabalho dele realmente começava muito cedo, e ia até tarde”, descreveu o atual secretário executivo do Ministério dos Esportes, Luís Fernandes.

Para o também cientista político, o presidenciável combinava um perfil de líder e articulador político com o de um gestor muito focado, “que prestava muita atenção a detalhes e que gostava de acompanhar o desenrolar das situações muito de perto”. Fernandes foi secretário executivo do então Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) durante a gestão de Campos, de 2004 a 2005.

“Quando entrou no governo, houve até quem se preocupasse pelo fato de ele ser um político, e não alguém ligado à área científica. Mas ele foi relativamente rápido em se apropriar das discussões nas mais variadas áreas do ministério”, continuou Fernandes. Ele conheceu Campos quando prestou consultoria à liderança do governo na Câmara, em 2003 e 2004, durante as discussões da Lei de Biossegurança.

O deputado federal Gonzaga Patriota (PSB-PE) recorda que Campos não gostava de fazer refeições sozinho. “Em Brasília, o tempo dele era muito curto. Era sempre uma correria do hotel para o trabalho, e do trabalho para o aeroporto. Mesmo o almoço e o jantar costumavam ser rápidos. Ele tinha essa coisa de sempre chamar os correligionários e os amigos para comer com ele”, contou.

Patriota destacou ainda o bom desempenho do ex-comandante do partido na Câmara, papel desempenhado em três ocasiões. “Ele se tornou líder logo que chegou a Brasília, em função do bom tratamento que dava aos deputados”, contou.

A corrida, descreve Patriota, era um hábito antigo do candidato, e os percursos costumavam ser extensos. “Em Recife, o trajeto dele era de Dois Irmãos ao Palácio do Campo das Princesas (cerca de 12 quilômetros). Ele levava mais ou menos uma hora e meia, com ritmo bem puxado”, lembrou.

 (Janine Moraes/CB/D.A Press)
À mesa

Entre os restaurantes favoritos de Campos em Brasília, estavam o Dom Francisco, na Associação de Servidores do Banco Central (Asbac), às margens do Lago Paranoá, e a cantina Unanimità, na Asa Sul. O ex-governador era conhecido por garçons, gerentes e donos dos dois estabelecimentos. Segundo funcionários, ele almoçou no Dom Francisco há menos de duas semanas, numa de suas últimas vindas à capital do país (leia abaixo).

Campos esteve no Unanimità há cerca de três meses, acompanhado da mulher e de dois dos cinco filhos. O chefe de cozinha Glécio Rodrigues de Almeida, 42 anos, revelou que o presidenciável era presença frequente na cantina. E o prato preferido era a carne de cordeiro acompanhada de batata, arroz branco e brócolis. Políticos e colegas de trabalho também eram companhias frequentes no local. “Ele era muito atencioso e sempre falava de Pernambuco com orgulho e carinho. Conversava com todos, era uma pessoa muito simples”, comentou.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas