Deputado Manoel Junior nega participação em assassinato de vereador

Parlamentar atribui o envolvimento de seu nome no relatório da CPI da Pistolagem a uma disputa política

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 01/10/2015 09:59

Leonardo Cavalcanti / , João Valadares

Em nota à imprensa, divulgada nessa quarta-feira (30/9), o deputado Manoel Junior (PMDB-PB) negou veementemente as acusações de participação no assassinato de um vereador na Paraíba. O parlamentar, um dos cotados para assumir o Ministério da Saúde, foi citado no relatório final da CPI que investigou grupos de extermínio no Nordeste, em 2005, a CPI da Pistolagem. Ele, no entanto, afirma que não há nenhuma testemunha no relatório da comissão declarando “que ele tenha encomendado a morte de quem quer que seja”.

Gabriela Korossy/Câmara dos Deputados - 21/5/15


O delegado não foi mantido na cidade, segundo o deputado, até porque o então governador era seu adversário político e que jamais influenciaria em tal manutenção. Diz ainda que é improcedente a afirmação de que no relatório do grupo de extermínio conste que a morte do vereador envolvia seu nome. O peemedebista ainda atribui o envolvimento de seu nome no relatório a uma disputa política uma vez que o relator era seu adversário. “Não respondo e jamais respondi a qualquer inquérito ou processo em nenhuma instância ao longo dos oito mandatos da minha vida pública", encerrou.

Entenda
Uma das testemunhas, que não teve o nome revelado no documento por questões de segurança, afirmou que Manoel Júnior teria participação no assassinato do vereador José Barros, em 2000, no município de Pedras de Fogo. Em 2011, o veto da presidente Dilma Rousseff ao nome do deputado para ocupar a pasta do Turismo no lugar de Pedro Novais ocorreu justamente porque ela recebeu, por meio do deputado Luiz Couto, o relatório da CPI.

A papelada cita, a partir de declarações de uma testemunha ouvida pelos integrantes do colegiado, a relação do parlamentar com o ex-delegado Marcelo Jorge, que integraria um grande grupo de extermínio da região. “A permanência do ex-delegado Marcelo Jorge na Delegacia de Pedras de Fogos se dava por influência política do deputado Manoel Júnior, inclusive com este patrocinando o retorno daquele policial depois que ele tinha sido temporariamente afastado a partir de um momento em que os assassinatos chegaram a um nível insuportável”, atesta o relatório.

Participação
Outro trecho do documento, também com base em declaração da testemunha, aponta a participação do deputado no crime. “A morte do vereador José Barros, que também era de mandar matar, mas do tipo cabo César, passava pelo ex-delegado Marcelo Jorge e pelo deputado estadual Manoel Júnior”. À época, em uma rádio local, uma das testemunhas do caso Manoel Mattos, vereador petista morto em Pedras de Fogo por um grupo de extermínio, denunciou que o deputado teria pago R$ 40 mil para encomendar o crime.

Em 2011, quando o caso voltou à tona justamente após a possível indicação do nome do parlamentar para o Ministério do Turismo, ele se defendeu alegando que estava sendo perseguido por adversários políticos. O deputado pediu à Polícia Federal e ao Ministério da Justiça a quebra do sigilo telefônico da testemunha, morta em 2009, para comprovar que era vítima de uma armação. Em entrevista a uma rádio local, afirmou que o seu nome foi envolvido porque os adversários temiam sua candidatura à Prefeitura de João Pessoa, em 2012.

Na terça-feira (29/9), a superintendência da Polícia Federal da Paraíba afirmou que não consta nenhum indiciamento contra Manoel Júnior em qualquer inquérito instaurado pela corporação.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
roberto
roberto - 01 de Outubro às 11:27
Legitimo representante da classe política brasileira!!!