SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Lula entra com habeas corpus para não prestar depoimento sobre tríplex

Procuradores da Operação Lava-Jato suspeitam que recursos desviados da Petrobras foram materializadas nos imóveis em Atibaia e no Guarujá quando Lula ainda era presidente

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 01/03/2016 07:02 / atualizado em 01/03/2016 07:17

Miguel Schincariol/AFP - 13/10/15
O Ministério Público Federal (MPF) informou ao Supremo Tribunal Federal (STF) que apura se o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu propina de empreiteiras investigadas na Operação Lava-Jato, inclusive “durante o mandato” dele no Palácio do Planalto, entre 2003 e 2010. Segundo a força-tarefa no Paraná, um dos procedimentos tem “a finalidade específica de apurar as supostas vantagens indevidas recebidas pelo suscitante (Lula) de construtoras investigadas na Operação Lava-Jato, materializadas, entre outros, em imóveis em Atibaia (SP) e no Guarujá (SP)”. A afirmação consta de esclarecimento do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, encaminhado ontem à ministra Rosa Weber atendendo a um pedido da defesa do ex-presidente. No fim do dia, o petista ingressou com habeas corpus preventivo no Tribunal de Justiça de São Paulo para ele e a mulher, Marisa, não serem obrigado a prestar depoimento quinta-feira sobre o triplex do Guarujá (SP) e o sítio em Atibaia (SP).

O xadrez entre a Lava-Jato e a defesa de Lula ocorreu no mesmo dia em que o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, deixou o cargo pressionado pelo avanço da Operação. O ex-presidente pediu para suspender investigações do MPF e do Ministério Público de São Paulo (MP-SP) sobre os imóveis em São Paulo até o STF decidir quem deveria conduzir a apuração. A força-tarefa informou que a apuração é diferente da executada por promotores paulistas e defendeu a permanência do caso em Curitiba. Para isso, pela primeira vez, a Lava-Jato nominou Lula como investigado no caso. Em junho do ano passado, o juiz do caso no Paraná, Sérgio Moro, havia dito que ele não constava da lista de suspeitos.

Mais de nove meses depois, a situação mudou. A apuração desconfia que as propinas foram recebidas em um contexto de corrupção na Petrobras. “As provas (...) são no sentido de que os fatos em apuração, além de reproduzirem a tipologia criminosa de lavagem de capitais já denunciada (....), envolvem José Carlos Bumlai, executivos da construtora Odebrecht e (...) da construtora OAS, todos investigados e muitos dos quais já denunciados no esquema de corrupção que assolou a Petrobras”. Os procuradores dizem ser “importante ressaltar” que “parte das vantagens (...) foram supostamente auferidas pelo suscitante (Lula) durante o mandato presidencial”. Esse fato, sozinho, justificaria a investigação no Ministério Público Federal. De acordo com o MPF, a apuração na Promotoria de São Paulo diz respeito apenas a “transferências de empreendimentos da Cooperativa Habitacional dos Bancários (Bancoop) para a OAS, em detrimento dos cooperados”.

Leia mais notícias em Política

Estratégia de defesa
O Instituto Lula informou ao Correio que a manifestação do MPF confirma que há duas apurações simultâneas. “Os argumentos não refutam o fato de que existe dupla investigação sobre o mesmo objeto, que é o argumento da defesa”, disseram os assessores do petista. Eles reafirmaram que Lula não é dono do sítio de Atibaia (SP), registrado em nome de amigos da família, e do tríplex no Guarujá, registrado em nome da OAS. A assessoria informa que o petista não praticou atos ilícitos. “O ex-presidente não recebeu nenhuma vantagem indevida e sempre agiu dentro da lei antes, durante e depois do exercício de seus dois mandatos como presidente da República.”

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
ducilneide
ducilneide - 05de Março às 09:59
O Sr. Lulla (com dois ll mesmo pra lembrar o outro) entra com recurso para não depor e disse, em sua fala que sua ida ontem era desnecessária. Bastava terem convocado por ofício. Fala sério!
 
Ernesto
Ernesto - 01de Março às 14:41
Meu DEUS, habeas corpus, para não prestar depoimento, ai tem coisa muito brava. Para que habeas corpus, se ele não não vai falar nada, de nada ele sabe etc...parece aqueles três macacos: não vi, não falo e não ouso. O BRASIL não tem jeito mesmo.
 
Tânia
Tânia - 01de Março às 14:28
Quem não deve não teme. Então, preste o seu depoimento e esclareça a situação.
 
augusto
augusto - 01de Março às 13:21
Mentir lá é fria, é melhor mesmo usar de toda cautela possível....
 
gilmar
gilmar - 01de Março às 12:30
Ué ta com medo do que ele não disse que não é dele? Quem não deve não teme!