SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Procuradores da Lava-Jato ameaçam renunciar devido a pacote anticorrupção

Força-tarefa diz que, se Senado aprovar texto acordado na Câmara, podem interromper os trabalhos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 30/11/2016 16:20 / atualizado em 30/11/2016 16:54

CNMP/Divulgação

Em entrevista coletiva nesta quarta-feira (30), a Força-Tarefa da Lava-Jato ameaçou renunciar e interromper os trabalhos na operação se o Senado também aprovar o pacote anticorrupção votado na madrugada pela Câmara.


“Nossa proposta é de renunciar coletivamente”, frisou Carlos Fernando dos Santos Lima, citando também uma possível sanção da lei pelo presidente Michel Temer como um fato que os faria reagir de forma radical.

 

O procurador da República, Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava-Jato, também criticou o novo projeto anticorrupção aprovado durante a madrugada de quarta-feira, que sofreu várias mudanças. "A Câmara sinalizou o começou do fim da Lava Jato", afirmou Deltan. "Não será possível trabalhar na Lava Jato se a lei da intimidação for aprovada."

 

Marcha a ré

Mais cedo, um nota divulgada Procuradoria-Geral da República criticou a ação da Câmara, que aprovou o pacote de medidas com uma série de alterações, algumas voltadas ao controle do Judiciário.

 

"O resultado da votação do PL 4850/2016, ontem, colocou o país em marcha a ré no combate à corrupção. O Plenário da Câmara dos Deputados desperdiçou uma chance histórica de promover um salto qualitativo no processo civilizatório da sociedade brasileira", diz a nota, assinada por Rodrigo Janot, procurador-Geral da República e presidente do Conselho Nacional do Ministério Público.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade