Léo Pinheiro afirma que tríplex do Guarujá era de Lula

Ex-presidente é acusado de ter recebido R$ 3,7 milhões de propina da OAS, em valores que teriam sido pagos por meio de reformas no apartamento

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 20/04/2017 19:25 / atualizado em 20/04/2017 19:31

Reprodução
 
 
O ex-presidente da OAS Engenharia, José Aldemario Pinheiro, o Léo Pinheiro, afirmou, em depoimento ao juiz Sergio Moro nesta quinta-feira (20/4), que o tríplex no condomínio Solaris, no Guarujá, pertencia do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
 
 
Lula é acusado de ter recebido R$ 3,7 milhões de propina da OAS, em valores que teriam sido pagos por meio de reformas no tríplex no Guarujá, que seria mantido como patrimônio oculto do petista. O pagamento dos recursos também teriam ocorrido por meio do armazenamento de bens do ex-presidente, de 2011 a 2016.
  
Em oitiva na 13a Vara Federal, em Curitiba, Léo Pinheiro disse que a OAS jamais colocou o empreendimento no Solaris à venda porque estaria garantido a Lula. O edifício pertencia à cooperativa habitacional Bancoop, que faliu e passou o controle do local à OAS.
 
“O apartamento era do presidente Lula. Desde o dia que me passaram para estudar os empreendimentos da Bancoop já foi me dito que era do presidente Lula e sua família e que eu não comercializasse e tratasse aquilo como propriedade do presidente”, afirmou o empreiteiro.
 
No depoimento, Léo Pinheiro também afirmou que o ex-presidente teria o orientado a destruir provas que pudessem incriminá-lo na operação Lava-Jato. De acordo com o empreiteiro, em diversos encontros, Lula teria perguntado de que forma ele estava efetuando os pagamentos ao PT, e Léo explicou que era por meio do ex-tesoureiro do partido João Vaccari.
 
Em um dos encontros, Lula teria dito: “Você tem algum registro de algum encontro de contas feitas com João Vaccari com vocês? Se tiver, destrua”, afirmou o empreiteiro.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.