Temer ganha fôlego, mas crise segue, dizem líderes da base aliada

"A cada dia podem surgir fatos novos", declarou o líder do PR na Câmara, José Rocha (BA)

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 10/06/2017 10:25

AFP PHOTO / EVARISTO SA
Líderes da base aliada avaliam que o resultado do julgamento da chapa Dilma Rousseff-Michel Temer no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a favor do presidente dá um fôlego, mas não traz tranquilidade ao governo. Governistas afirmam que Temer seguirá ameaçado por eventual denúncia que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, deve apresentar contra ele com base na delação da JBS.


"Não acaba com a crise. Temos que monitorar se houver instabilidade para o País com fatos relevantes", afirmou o líder do PSDB na Câmara, Ricardo Tripoli (SP). Segundo ele, além da absolvição pelo TSE, a legenda vai levar em conta os "14 milhões de desempregados" que o País tem hoje, ao decidir sobre o desembarque ou não do governo. A decisão será tomada durante reunião marcada para esta segunda-feira.

Para o líder do PR na Câmara, José Rocha (BA), a absolvição de Temer pelo TSE é positiva para o governo, mas não encerra a crise política. "A cada dia podem surgir fatos novos. Estávamos na expectativa do TSE, agora da denúncia da PGR e continua a expectativa das delações, se o (doleiro Lúcio) Funaro vai delatar, se (o ex-assessor de Temer e suplente de deputado, Rodrigo) Loures, vai relatar", afirmou Rocha.

O líder do PSD, deputado Marcos Montes (MG), avaliou que o resultado do TSE melhora o cenário Temer, mas não o faz "navegar em mares calmos". Segundo ele, a decisão da corte dá a Temer uma "força relativa". "Ele vai ficar na corda bamba, mas vai se equilibrar", afirmou. Montes afirmou, porém, que dois fatos podem "afinar" a corda: o desembarque do PSDB e possíveis delações "bombásticas".

Desembarque. A avaliação é a de que uma eventual saída dos tucanos da base aliada tem potencial para provocar um desembarque em cascata de outras legendas.

A bancada do PRB, por exemplo, já marcou reunião também para segunda-feira para avaliar o cenário pós-TSE/PSDB. "Hoje nossa posição é a de se manter no governo, mas aguardamos o desfecho das situações e estamos acompanhando movimento dos demais partidos", disse o líder da sigla, deputado Cleber Verde (MA).

Líderes da base avaliam ainda que uma eventual denúncia da PGR hoje não passa na Câmara, mas, dependendo de seu teor, o cenário pode mudar. "Hoje não passa, mas se ela for pesada, complica muito mais. Não só o teor, mas as comprovações", afirmou Montes. O parlamentar avaliou que o TSE julgou Temer mais em uma "linha eleitoral", deixando, com isso, a parte criminal para que o Supremo analise.
Tags: crise tse temer
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
fabio
fabio - 10 de Junho às 16:49
Precisam de denúncia mais pesada contra o Presidente? Às que foram apresentadas até agora pesam tanto quanto elefante, baleia, hipopótamo... Para a justiça.sao denúncias leves!!! Tenha paciência.