Fachin nega prisão domiciliar a Rocha Loures e transfere ex-parlamentar

Decisão foi tomada após matéria do Correio Braziliense sobre ameaças à vida do ex-deputado

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 13/06/2017 15:38 / atualizado em 13/06/2017 16:39

Bruno Santos/Folhapress
 
O ministro Edson Fachin determinou a transferência de Rodrigo Rocha Loures da Papuda para a Superintendência da Polícia Federal. A decisão foi tomada com base em um nota publicada no blog do Correio Braziliense no dia 3 de junho intitulada "Quanto vale a vida de Rocha Loures?". Fachin também pediu ao Ministério Público que apurasse se o ex-deputado federal, detido sob acusação de pegar R$ 500 mil de propina da JBS, estaria de fato correndo risco de morte na carceragem como alertou a publicação. 

A defesa de Loures havia pedido que o ex-parlamentar fosse transferido para o regime domiciliar, alegando que "o interior da prisão "é local propício para um matador ou executor de sua execução".


O pai do deputado, Rodrigo Costa, também disse ter recebido um telefonema de um conhecido da família avisando que Rocha Loures corria risco de morte caso não concordasse com a delação premiada. 

Fachin, em sua decisão, negou o pedido de prisão domiciliar, admitiu que não existem fatos probatórios para embasar a suspeita, mas "eles são graves o suficiente para que se dê ao menos notícia ao Ministério Público a quem incumbe no âmbito de suas atribuições deflagrar instrumentos voltados à respectiva apuração". E afirma ainda que caberá à PF "as cautelas necessárias à preservação da integridade física do requerente".
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.