Temer chama Joesley de "bandido notório" e diz que processará empresário

Em nota divulgada na tarde deste sábado pelo Palácio do Planalto, o presidente Michel Temer diz que vai processar Joesley Batista

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/06/2017 13:59 / atualizado em 17/06/2017 14:57

O presidente Michel Temer vai processar o empresário Joesley Batista, dono da holding J&F, detendora da JBS frigoríficos. A informação foi divulgada por meio de uma nota do Palácio do Planalto no início da tarde deste sábado (17/6). De acordo com o texto, na segunda-feira (19/6), serão protocoladas ações civil e penal contra Joesley. O texto também afirma que "o governo não será impedido de apurar e responsabilizar o senhor Joesley Batista por todos os crimes que praticou, antes e após a delação."
 

A nota declara que o empresário responsável pela delação mais estrondosa da Operação Lava-Jato é "o bandido notório de maior sucesso na história brasileira". Ainda de acordo com a declaração, Joesley enriqueceu graças a práticas pelas quais não responderá e ao delatar o presidente alcançou o perdão por todos os crimes cometidos.

A declaração foi divulgada após a publicação de uma entrevista do empresário à Revista Época. À publicação, Joesley afirmou que Temer é o "chefe da quadrilha mais perigosa do Brasil". O empresário, que prestou mais um depoimento na manhã dessa sexta-feira (16/6), na sede da Polícia Federal, em Brasília, não economizou em adjetivos ao presidente. "Quem não está preso está hoje no Planalto. Essa turma é muita perigosa", afirmou.

Segundo o Planalto, na entrevista dada por Joesley "ele desfia mentiras em série". A maior prova das "inverdades" do empresário é a própria gravação que ele apresentou à Justiça em troca do perdão de crimes., diz a nota. Segundo o Planalto, na entrevista, Joesley afirma que as reuniões com Temer sempre estavam ligadas a algum pedido ou favor. "Não é do feitio do presidente tal comportamento mendicante. Era Joesley quem queria resolver seus problemas no governo, e pede seguidamente", rebate a nota. 

O texto destaca que o grupo da JBS obteve seu primeiro financiamento no BNDES em 2005, ou seja, na gestão petista. Dois anos depois, alcançou um faturamento de R$ 4 bilhões. Em 2016, o faturamento das empresas da família Batista chegou a R$ 183 bilhões. A nota afirma que toda essa relação foi construída com governos do passado e que os "reais parceiros de sua trajetória de pilhagens e verdadeiros contatos de seu submundo" estão em segundo plano, protegidos.

Em relação ao BNDES, a nota lembra que o banco impediu a transferência de domicílio fiscal do grupo JBS para a Irlanda e que por conta dessa decisão a família Batista teve perdas acionárias na bolsa de valores. "Havia milhões de razões para terem ódio do presidente e de seu governo", alega a nota. 
 
Leia a nota na íntegra 
 
Em 2005, o Grupo JBS obteve seu primeiro financiamento no BNDES. Dois anos depois, alcançou um faturamento de R$ 4 bilhões. Em 2016, o faturamento das empresas da família Batista chegou a R$ 183 bilhões. Relação construída com governos do passado, muito antes que o presidente Michel Temer chegasse ao Palácio do Planalto. Toda essa história de N"sucesso" é preservada nos depoimentos e nas entrevistas do senhor Joesley Batista. Os reais parceiros de sua trajetória de pilhagens, os verdadeiros contatos de seu submundo, as conversas realmente comprometedoras com os sicários que o acompanhavam, os grandes téntaculos da organização criminosa que ele ajudou a forjar ficam em segundo plano, estrategicamente protegidos.
 
Ao bater às portas do Palácio do Jaburu depois de 10 meses do governo Michel Temer, o senhor Joesley Batista disse que não se encontrava havia mais de 10 meses com o presidente. Reclamou do Ministério da Fazenda, do CADE, da Receita Federal, da Comissão de Valores Mobiliários, do Banco Central e do BNDES. Tinha, segundo seu próprio relato, as portas fechadas na administração federal para seus intentos. Qualquer pessoa pode ouvir a gravação da conversa na internet para comprová-lo.
 
Em relação ao BNDES, é preciso lembrar que o banco impediu, em outubro de 2016, a transferência de domicílio fiscal do grupo para a Irlanda, um excelente negócio para ele, mas péssimo para o contribuinte brasileiro. Por causa dessa decisão, a família Batista teve substanciais perdas acionárias na bolsa de valores e continuava ao alcance das autoridades brasileiras. Havia milhões de razões para terem ódio do presidente e de seu governo.
 
Este fim de semana, em entrevista à revista Época, esse senhor desfia  mentiras em série.
A maior prova das inverdades desse é a própria gravação que ele apresentou como documento para conseguir o perdão da Justiça e do Ministério Público Federal por crimes que somariam  mais de 2000 mil anos de detenção. Em entrevista, ele diz que o presidente sempre pede algo a ele nas conversas que tiveram. Não é do feitio do presidente tal comportamento mendicante. Quando se encontraram, não se ouve ou se registra nenhum pedido do presidente a ele. E, sim, o contrário. Era Joesley quem queria resolver seus problemas no governo, e pede seguidamente. Não foi atendido antes, muito menos depois.
 
Ao delatar o presidente, em gravação que confesa alguns de seus pequenos delitos, alcançou o perdão por todos seus crimes. Em seguida, cometeu ilegalidades em série no mercado de câmbio brasileiro comprando um bilhão de dólares e jogando contra o real, moeda que financiou seu enriquecimento. Vendeu ações em alta, dando prejuízo aos acionistas que acreditaram nas suas empresas. Proporcionou ao país um prejuízo estimado em quase R$ 300 bilhões logo após vazar o conteúdo de sua delação para obter ganhos milionários com suas especulações.
 
Os fatos elencados demonstram que o senhor Joesley Batista é o bandido notório de maior sucesso na história brasileira. Conseguiu enriquecer com práticas pelas quais não responderá e mantém hoje seu patrimônio no exterior com o aval da Justiça. Imputa a outros os seus próprios crimes e preserva seus reais sócios. Obtém perdão pelos seus delitos e ganha prazo de 300 meses para devolver o dinheiro da corrupção que o tornou bilionário, e com juros subsidiados. Pagará, anualmente, menos de um dia do faturamento de seu grupo para se livrar da cadeia. O cidadão que renegociar os impostos com a Receita Federal, em situação legítima e legal, não conseguirá metade desse prazo e pagará juros muito maiores.
 
O presidente tomará todas medidas cabíveis contra esse senhor. Na segunda-feira, serão protocoladas ações civil e penal contra ele. Suas mentiras serão comprovadas e será buscada a devida reparação financeira pelos danos que causou, não somente à instituição Presidência da República, mas ao Brasil. O governo não será impedido de apurar e responsabilizar o senhor Joesley Batista por todos os crimes que praticou, antes e após a delação. 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
pedro
pedro - 17 de Junho às 20:56
Não sei qual dos dois é o pior.
 
alberico
alberico - 17 de Junho às 17:39
KKK, o TM está ferrado com o Joesley na sua aba, eu se fosse o TM, para poupar nosso povo da vergonha que tem do TM, do FHC, do Molusco e da Dilmona, renunciava, fazia a matula e ia para Curitiba me apresentar ao Juiz Sergio Moro. Ao chegar ao Juiz falaria vim aqui cumprir minha pena, simples assim.
 
Gutemberg
Gutemberg - 17 de Junho às 16:54
"Já viu o sujo processar o mal lavado"...toma vergonha na cara e renuncia que é melhor...
 
Aloisio
Aloisio - 17 de Junho às 15:00
Processa nada, Está jogando para a plateia. Com rabo preso ficará encolhido.