Há indícios de corrupção contra Temer; obstrução de Justiça é investigada

Em relatório parcial entregue ao Supremo, a Polícia Federal aponta que identificou sinais de crime nas ações praticadas por Temer e pelo ex-assessor Rodrigo Rocha Loures; corporação pede mais 5 dias para concluir investigação

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 20/06/2017 06:00 / atualizado em 20/06/2017 07:30

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil - 3/9/15
Apesar de pedir um prazo maior para concluir as investigações, o relatório parcial entregue pela Polícia Federal ao Supremo Tribunal Federal (STF), na noite desta segunda-feira (19/6), aponta que houve corrupção passiva nas ações praticadas pelo presidente Michel Temer e pelo ex-assessor especial Rodrigo Rocha Loures. Esse é um dos pontos sobre os quais o presidente é investigado. A outra apuração — obstrução de Justiça — não terminou ainda porque depende da perícia dos áudios gravados por Joesley Batista, dono do grupo JBS.


Leia mais notícias em Política

São ao todo quatro áudios, um deles da conversa do empresário com o presidente, no Palácio do Jaburu, em 7 de março. O relator do processo, ministro Edson Fachin, havia definido que o inquérito deveria terminar ontem. É a segunda vez que a PF pede mais prazo para analisar os áudios, alvos de uma disputa acirrada entre a defesa do presidente Temer e a Procuradoria-Geral da República. Os advogados do presidente afirmam que o material foi editado e que, por isso, não deve ser considerado como prova. O procurador Rodrigo Janot e o próprio Fachin admitiram o material como parte do inquérito que tramita no STF.

Mais cedo, Janot manifestou-se contra um pedido de arquivamento de inquérito feito pela defesa do presidente Michel Temer, que alegou não haver indícios mínimos necessários para que possa vir a ser feita uma denúncia contra o peemedebista. Para Janot, não era possível qualquer manifestação — pela denúncia ou pelo arquivamento — sem a conclusão das investigações da Polícia Federal.

O procurador afirmou que terá um prazo de cinco dias para oferecer a denúncia ou para pedir arquivamento, de acordo com Regimento Interno do STF, a partir do recebimento da peça informativa encaminhada pela autoridade policial. Esse tempo, contudo, é variável. Janot pode até mesmo apresentar a denúncia antes do material da PF, caso enxergue riscos de o pedido de prisão de Rocha Loures perder a validade.

A princípio, Janot apresenta a primeira denúncia contra o peemedebista na próxima semana. Temer já acertou com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que o recesso parlamentar poderá ser suspenso para que os deputados analisem mais rapidamente o pedido de investigação. O Planalto considera ter os votos necessários para barrar o processo.

Mas Janot poderá segurar esse ritmo, segundo apurou o Correio. O primeiro é a espera por fatos novos como, por exemplo, a delação do doleiro Lúcio Funaro. Além disso, em julho, o Judiciário — e, consequentemente, o Supremo — entram em recesso, o que retardaria para agosto o encaminhamento, pelo Supremo, do processo para a Câmara. Dessa forma, segundo interlocutores de Janot, os parlamentares estariam mais tempo sob pressão de suas bases eleitorais e poderiam ficar menos dispostos a bloquear a abertura de investigação contra Temer.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Cicero
Cicero - 20 de Junho às 07:53
Agora sim a PF está sintonizada com o governo que tem o controle da situação. Esses 5 dias foram pedidos apenas para o governo viajar tranquilo.