Renan diz a Moro que conselheiro de Contas do Rio o apresentou a lobista

O peemedebista afirmou que o conselheiro José de Moraes, do Tribunal de Contas do Município do Rio de Janeiro, foi quem o apresentou a Luz

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 22/06/2017 16:14

O senador Renan Calheiros (PMDB-AL) depôs ao juiz federal Sérgio Moro como testemunha de defesa do lobista Jorge Luz, apontado pela Operação Lava-Jato como operador de propinas do PMDB. O peemedebista afirmou que o conselheiro José de Moraes, do Tribunal de Contas do Município do Rio de Janeiro, foi quem o apresentou a Luz.


"Conheço (Jorge Luz), o conheci em 89, exatamente, mas não o vejo há mais de 20 anos, 23, 24 anos", afirmou Renan, no depoimento a Moro nesta quarta-feira (20/6), por videoconferência desde Brasília. "Eu o conheci na residência do conselheiro José Moraes, no Rio de Janeiro. Conheci através do José Moraes na sua própria residência, no Rio de Janeiro. José Moraes é conselheiro do Tribunal de Contas do Rio."

Segundo Renan, o lobista foi apresentado a ele como empresário. "Se não me engano da área de alimentos, uma coisa assim."

Jorge Luz e o filho Bruno Luz estão presos preventivamente desde 25 de fevereiro, por corrupção e lavagem de dinheiro. Em denúncia formal da Procuradoria, pai e filho agiram como representantes dos interesses de parlamentares e funcionários públicos da Petrobras corrompidos para recebimento de propina em contratos de aquisição e operação de navios-sonda da Área Internacional da Petrobras.

Segundo o Ministério Público Federal, Jorge e Bruno Luz atuaram junto aos lobistas Fernando Soares e Júlio Camargo e ao ex-diretor Nestor Cerveró para operacionalização do pagamento de propina de US$ 15 milhões, sendo parte destinada a políticos do PMDB e parte supostamente destinada a funcionários da Petrobras. O valor teria saído da contratação do navio-sonda Petrobras 10 000 do estaleiro coreano Samsung ao custo de US$ 586 milhões entre 2006 e 2008.

Renan afirmou não conhecer Bruno. O senador declarou, após questionamento da defesa dos lobistas, ter conhecido "vagamente" os ex-diretores da Petrobras Paulo Roberto Costa (Abastecimento) e Nestor Cerveró (Internacional). "Conheci, conheci vagamente. Estive com um e com outro umas duas ou três vezes", declarou. O defensor perguntou a Renan se havia mais gente além do senador no encontro.

 

Leia mais notícias em Política


"Eu recebi uma vez levado pelo deputado Anibal Gomes (PMDB-CE), eu estava na minha residência, num encontro com senador Romero Jucá (PMDB-RO) e com o deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) Ambos chegaram sem que o encontro tivesse sido marcado. Depois tive mais uma ou duas vezes. O próprio Paulo Roberto Costa lembrou no depoimento outro dia que nas vezes em que esteve comigo, geralmente, eu estava recebendo pessoas e as conversas foram conversas com muita gente. Era comum, frequente", afirmou o senador. O advogado quis saber se Renan já havia recebido os ex-dirigentes "em separado".

"Não, eu nunca os recebi marcando previamente. Eu os recebi levado por alguém, uma vez na minha residência e uma outra vez no gabinete. Mas sempre levado por alguém. Eu estava sempre com alguém recebendo, conversando. Faz parte do dia a dia da atividade", disse Renan. "Não lembro de os ter recebido juntos "

O defensor de Jorge Luz indagou a Renan se Cerveró e Roberto Costa chegaram a pedir apoio para permanecer no cargo da Petrobras.

"Para permanecer, exatamente, não. Nesta vez em que esteve na minha casa, acompanhado do deputado Anibal Gomes, e eu estava reunido com senador Romero e com o deputado Henrique Eduardo Alves, ele pedira o apoio para uma outra diretoria que ele queria ser promovido. Mas na oportunidade nós dissemos que não era possível, porque nós não tratávamos desse tipo de indicação para a Petrobras. E ele tinha sido indicado pelo PP que era o partido que faz oposição à gente em Alagoas", declarou o senador Renan disse não lembrar em que ano teria ocorrido a reunião.

"Uma das vezes eu era presidente do Senado. Na outra vez, desta reunião, desse jantar, desse almoço que nós estávamos fazendo quando ele foi levado pelo deputado Anibal, eu não era mais presidente do Senado. Foi no seguinte àquele episódio de 2007", afirmou. O peemedebista declarou ter conhecido Anibal Gomes, porque foi presidente do Congresso Nacional.

"E ele tinha uma boa relação com meu irmão, que na época era deputado federal, deputado Olavo Calheiros. Eu conheço deputado Anibal dessa época", afirmou. "Sempre tive com ele uma relação distante. Ele era mais amigo do meu irmão, então, deputado federal."

A reportagem tentou contato com o gabinete do conselheiro José Moraes, do Tribunal de Contas do Município do Rio. O espaço está aberto para manifestação.

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.