REPÚBLICA EM TRANSE

Oito nomes disputam a sucessão de Rodrigo Janot na PGR

Lista tríplice para procurador-geral da República será escolhida na terça-feira

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 25/06/2017 08:00 / atualizado em 24/06/2017 21:57

Yasuyoshi Chiba/AFP
Na próxima terça-feira, quando os 1,3 mil procuradores da República votarão para eleger uma lista tríplice de postulantes ao cargo máximo do Ministério Público Federal, poderá parecer que é algo corriqueiro, que se repete de dois em dois anos, desde 2003. Mas isso não é verdade. Eles estarão escolhendo, entre os oito candidatos que se apresentaram, quem querem para conduzir, ao longo do próximo biênio, as investigações da Lava-Jato, iniciada em 2014. Em 2015, esse processo ocorreu, mas Rodrigo Janot era um candidato natural e acabou reeleito. Agora, o cenário apresenta um nome novo para prosseguir com um trabalho que vem sacudindo o país.

As incógnitas não param por aí. Será a primeira eleição, desde 2003, sem o PT no poder. E qual a diferença fundamental agora? Os petistas sempre respeitaram a lista tríplice apresentada pela Associação Nacional dos Procuradores (ANPR). E mais. Indicavam o nome mais votado na relação. Uma sugestão — quase imposição — feita pelo então ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, para dar um caráter republicano ao governo de Lula. “Você não vai querer ser acusado de ter escolhido um engavetador de processos”, aconselhou Márcio, que morreu em 2014.

“O presidente Temer não precisa, necessariamente, escolher o primeiro nome da lista. Qualquer um dos três tem legitimidade. Mas, nesse momento de crise, é fundamental que essa relação seja respeitada”, defendeu o presidente da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR), José Robalinho Cavalcanti. Até o momento, não há certezas firmadas se o presidente Temer vai manter a tradição petista. Até porque o último governante antes da era do PT no Planalto, o tucano Fernando Henrique Cardoso, não respeitou.

Xadrez

O PMDB, partido de Temer, apoia a indicação de Raquel Dodge. Bastante ligada ao presidente e aos caciques peemedebistas, ela é uma procuradora de carreira reconhecida e tem grandes chances de figurar entre os três mais votados. Mesmo que não esteja, há quem defenda que ela seja indicada mesmo assim. “Quem terá a coragem de questionar um nome que foi votado pelos seus pares, que tem competência, e ainda é mulher? Os colegas de MPF não agirão assim, pode apostar”, disse um analista arguto do processo de sucessão de Janot.

O xadrez na mesa presidencial não é apenas esse. A eleição será em 27 de junho, mas Janot só concluirá o mandato em 17 de setembro. Temer indicará com rapidez o sucessor do procurador-geral? Se isso acontecer, por uma questão de espírito de corpo, o indicado não vai ficar dando palpite nos trabalhos de Janot, que ainda estará no posto. “Mas o novo nome começará a escolher sua equipe, o que, inevitavelmente, indicará futuros rumos de trabalho e pensamento”, reconheceu um procurador.

Temer também poderá demorar a indicar o novo nome — algo não raro. Mas aí os desdobramentos seriam outros. Neste caso, o vice-procurador-geral assumiria interinamente. Informações de bastidor dão conta que uma tendência defende que o atual vice-procurador-geral, Bonifácio de Andrada, deixe o cargo que exerce atualmente no Conselho Superior do Ministério Público e concorra a um novo posto no mesmo colegiado, na disputa que acontecerá em agosto. Esse conselho é quem indica o vice-procurador.

Dessa forma, ele poderia ocupar, ainda que por um lapso de tempo, o cargo de procurador-geral após expirar o mandato de Janot. Nicolao Dino, atual vice-procurador-geral eleitoral, é outro nome cotado. “Bonifácio tem apoio político, mas não dos procuradores. Dino tem força no Ministério Público, mas não tem trânsito político”, resumiu um procurador. Essa saída é pouco provável, contudo. “Bonifácio é próximo do PSDB de Minas e essa relação causará desconforto no MPF”, contrapôs um jurista.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
RAIMUNDO
RAIMUNDO - 26 de Junho às 18:28
Antes da Lei 12.850, de 02/08/2013, que define organização criminosa e dispõe sobre a investigação criminal, os meios de obtenção da prova, infrações penais correlatas e o procedimento criminal; altera o Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal); revoga a Lei no 9.034, de 3 de maio de 1995; e dá outras providências, tais como: acordo de colaboração premiada, essas quadrilhas poderosas de velhacos, que se dizem %u201Cpolíticos%u201D, sempre se davam bem. Alguns integrantes dessas quadrilhas se vangloriavam de que todos os processos em que estavam envolvidos eram arquivados, tudo com o apoio desses advogados que estão aí defendendo a extinção da lava-jato. Esses %u201Cadvogados%u201D enchiam o bolso de dinheiro, recursos originários da corrupção. Esses %u201Cadvogados%u201D que estão defendendo a saída do Juiz Sérgio Moro, procurando meios de acabar com a lava-jato precisam ser investigados, pois, continuam tentando obstruir a justiça. Já passou da hora de acabar com essas quadrilhas que há muito roubam os recursos que deveriam ser empregados na saúde, na educação, na segurança e em outros investimentos em infraestrutura que tanto Brasil precisa. O que é mais amoral ainda é ver %u201Cministros%u201D do STF e %u201Cparlamentares%u201D defendendo essas quadrilhas. Verdadeira inversão de valores.
 
Aminadab
Aminadab - 26 de Junho às 08:19
Se o Ministério Público Federal for MANIPULADO pelos políticos, a Tese de Aristóteles e de Montesquieu no Brasil se transformará de vez na tríplice Aliança da CORRUPÇÃO, e aí só a criação do RECALL no artigo 14, da CF para salvar o ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO.
 
RAIMUNDO
RAIMUNDO - 26 de Junho às 18:29
boa colocação. Já passou da hora de acabar com essas quadrilhas que há muito roubam os recursos que deveriam ser empregados na saúde, na educação, na segurança e em outros investimentos em infraestrutura que tanto Brasil precisa. O que é mais amoral ainda é ver %u201Cministros%u201D do STF e %u201Cparlamentares%u201D defendendo essas quadrilhas. Verdadeira inversão de valores.