Base aliada estuda votar em bloco denúncias contra Temer

A avaliação de parlamentares da base é que Temer não aguentará o desgaste se for submetido mais de uma vez ao escrutínio do plenário

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 27/06/2017 18:15

Integrantes da base aliada começam a estudar maneiras de votar em bloco todas as denúncias que a Procuradoria-Geral da República apresentar contra o presidente Michel Temer.


A avaliação de parlamentares da base é que Temer não aguentará o desgaste se for submetido mais de uma vez ao escrutínio do plenário. Por enquanto, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, denunciou o presidente apenas por corrupção passiva, mas a expectativa é que pelo menos uma segunda denúncia, por obstrução à Justiça, seja apresentada em breve.

Um deputado próximo ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), começou nesta terça-feira (27/6), a fazer consultas a técnicos da secretaria-geral da Casa para saber se é possível realizar uma votação conjunta das denúncias, mesmo que elas cheguem em momentos diferentes ao Congresso.

Na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), onde as denúncias começarão a tramitar na Câmara, esse debate já começou. Segundo o presidente da CCJ, Rodrigo Pacheco, a princípio, cada caso terá tramitação em separado, mas nada impede que elas tenham um mesmo relator.

O fatiamento das denúncias preocupou o Palácio do Planalto. A ideia de Temer era resolver rapidamente o assunto na Câmara. Para barrar a denúncia, o Planalto precisa do voto de pelo menos 172 dos 513 deputados.

Na Câmara, o sentimento dos parlamentares é que, hoje, o peemedebista teria fôlego para derrubar a primeira denúncia, mas que não se sabe como estará o humor da base quando as próximas forem submetidas ao plenário. Há quem trabalhe com a hipótese de Janot apresentar ainda uma terceira denúncia contra Temer, por formação de organização criminosa ao lado de outros nomes da cúpula do PMDB.

 

Leia mais notícias em Política 

 

Técnicos da Casa têm dúvidas se é possível juridicamente levar a plenário todas as denúncias de uma vez. Eles lembram que não há um rito previamente estabelecido, já que o caso é inédito - esta é a primeira vez que o Congresso vai deliberar sobre acusações formais apresentadas contra um presidente da República.

Pela regra, ao receber o pedido de abertura de investigação contra Temer, o presidente da Câmara despacha a denúncia à CCJ e cabe a Pacheco indicar formalmente o relator. A defesa do peemedebista terá até dez sessões plenárias para se manifestar. Após a entrega da defesa, o relator terá mais cinco sessões para apresentar o parecer e colocá-lo em votação na comissão.

Passada a votação na CCJ, a análise do relatório vai ao plenário Cabe a Maia pautar o dia da votação. O presidente da Câmara já afirmou que, se necessário, irá suspender o recesso parlamentar, marcado para começar em meados de julho, para analisar o processo contra Temer.

Líder do PMDB na Câmara, o deputado Baleia Rossi (SP) disse que o debate sobre como deve ser a tramitação das denúncias na Casa ainda não começou. "O ideal não é fazer correndo, nem devagar. O ideal é ter uma decisão sobre o assunto, para que as reformas possam voltar a tramitar na Congresso", afirmou.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.