Deputados são pressionados pelo WhatsApp para aceitar denúncia contra Temer

Um eleitor chegou a criar um grupo chamado de "Aceita a denúncia já" e incluiu o número de diversos deputados para constrangê-los

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 03/07/2017 22:06

Justin Sullivan/Getty Images/AFP

 
Deputados estão sendo pressionados pelas redes sociais e até mesmo pelo WhatsApp para votar a favor do recebimento da denúncia contra o presidente Michel Temer. 
 
 
Um deputado do PP mostrou ao jornal O Estado de S. Paulo dezenas de mensagens que havia recebido na última semana, desde que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, decidiu apresentar a denúncia por corrupção passiva contra Temer. 

Um eleitor chegou a criar um grupo no WhatsApp, chamado de "Aceita a denúncia já", e incluiu o número de diversos deputados para constrangê-los a não enterrar a denúncia contra o peemedebista.

Em uma das mensagens enviadas no grupo, os eleitores pedem que a denúncia contra Temer seja aceita para que os deputados não façam "do corrupto seu bicho de estimação".

Em um vídeo que também circula nos celulares dos parlamentares, um homem conclama as pessoas a pressionarem os deputados para que eles não engavetem o caso de Temer. "Nós vamos acompanhar o voto de cada deputado. Não aceitaremos presidente corrupto. Temer tem que ser julgado sim. Deixa o Supremo (Tribunal Federal) julgar", diz a gravação. 


Impeachment 

Durante o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, mobilização parecida foi realizada. Deputados, no entanto, relatam que naquela época a pressão foi ainda maior. Movimentos anticorrupção, como o Vem Para Rua, chegaram a criar sites onde monitoravam a posição de cada parlamentar e estimulavam as pessoas a cobrarem os seus deputados.

Esses grupos, no entanto, têm mantido uma posição neutra diante das acusações que pesam contra o atual presidente. Diferentemente da postura que adotaram com Dilma, até agora, nenhum desse movimentos convocou manifestações pedindo a saída de Temer.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.