Senadores questionam Raquel Dodge sobre delações, prisões e vazamentos

A subprocuradora-geral da República afirmou durante a sessão que o combate à corrupção será a prioridade da entidade

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 12/07/2017 13:40 / atualizado em 12/07/2017 13:57

Geraldo Magela/Agência Senado

 
Em pouco mais de duas horas de sabatina, a subprocuradora-geral da República Raquel Dodge respondeu questionamentos dos senadores da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) sobre variados temas. Por meio das indagações, parlamentares - parte deles investigada no âmbito da Operação Lava-Jato - tentam traçar como será a linha de atuação de Raquel à frente do Ministério Público Federal (MPF), que já afirmou que o combate à corrupção continuará a ser a prioridade da entidade.


"A proteção do interesse público e o enfrentamento da corrupção continuam a ser prioridade no MPF e terão o apoio necessário", afirmou Raquel. "A corrupção desvia recursos públicos de serviços essenciais, como educação, saúde, transporte."

Entre as principais preocupações dos senadores, estão os limites dos acordos de colaboração premiada, o uso de escutas telefônicas como provas, vazamentos das investigações pela imprensa, a prática da condução coercitiva, o tempo das prisões preventivas e a atuação do Conselho Nacional do Ministério Público na punição de procuradores envolvidos em denúncias ou excessos.

Com muita tranquilidade, Raquel está se atendo ao tempo das respostas e garantindo que irá sempre considerar o devido processo legal em suas decisões como futura Procuradoria-Geral da República (PGR) e o foco será na preservação da dignidade da pessoa humana. Sobre o CNMP, do qual, ao tomar posse, Raquel será presidente, ela pretende fazer sessões mais curtas e temáticas para que as investigações contra procuradores também sejam pautadas e avaliadas.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.