Sem tornozeleira eletrônica no DF, Geddel continua preso na Papuda

Contrato com a nova empresa prestadora da monitoração eletrônica foi assinado no dia 3 de julho, mas a contratada tem 45 dias para começar

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 13/07/2017 16:15

O ex-ministro do governo Michel Temer Geddel Vieira Lima vai continuar preso na Papuda até que a Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal tenha disponível a tornozeleira eletrônica que deverá ser usada por Geddel. Por meio de nota, a Subsecretaria do Sistema Penitenciário (Sesipe), ligada à Secretaria de Segurança Pública e da Paz Social (SSP/DF), informa que recebeu a decisão do Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF-1), da noite de ontem, que autorizou a saída de Geddel da Papuda, colocando-o em prisão domiciliar, mas que não dispõe da tornozeleira eletrônica no momento.
 

"O documento condiciona a liberação de Geddel Vieira Lima ao uso de uma tornozeleira eletrônica. Como o Distrito Federal ainda não dispõe do equipamento para instalação no custodiado, uma vez que o contrato para disponibilizar serviço foi assinado recentemente, a pasta vai remeter um ofício ao TRF, que deverá decidir como será o procedimento neste caso", diz a nota da subsecretaria.

Na nota, a secretaria informa que assinou, em 3 de julho, o contrato com a empresa vencedora da licitação que vai implantar o projeto de monitoração eletrônica no DF. Mas a contratada tem 45 dias para iniciar o sistema. "O tipo da aquisição é aluguel e a quantidade de tornozeleiras pode chegar até 6 mil, sendo que a adesão ocorrerá por demanda e determinação do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT)", diz a secretaria. Segundo a secretaria, cada tornozeleira, junto com o todo o serviço contratado, custará R$ 161,92 por mês. 

Novo pedido de prisão


Hoje, o Ministério Público Federal pediu nova prisão preventiva contra Geddel Vieira Lima. Para os procuradores Anselmo Lopes e Sara Moreira Leite novos elementos colhidos na investigação mostram que Geddel cometeu os crimes de exploração de prestígio e tentou embaraçar às investigações.

Os procuradores se baseiam nos depoimento do corretor Lúcio Bolonha Funaro e de sua esposa, Raquel Pitta. Os dois detalharam os contatos feitos pelo ex-ministro.

Tags: papuda geddel
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.