Justiça suspende cassação de prefeito de Mesquita, na Baixada Fluminense

Em fevereiro, os vereadores de Mesquita abriram uma comissão processante depois que o prefeito utilizou cerca de R$ 14 milhões da Previdência municipal para pagar os salários atrasados dos servidores

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 06/08/2017 17:30

O Tribunal de Justiça do Rio suspendeu a cassação do mandato do prefeito de Mesquita, Baixada Fluminense, Jorge Miranda, que poderá reassumir o cargo a partir de amanhã (7). Ele havia sido afastado na terça-feira passada (1º).


Na sexta-feira passada, o juízo de primeira instância negou pedido de liminar para que a cassação do mandato fosse suspensa. Ontem, o procurador do município, Gilmar Brunízio, entrou com mandado de segurança no plantão judiciário, que foi acolhido pelo desembargador Luciano da Silva Barreto. Os efeitos do Decreto Legislativo n° 001/2017, que cassou Miranda, estão suspensos até a decisão final no processo.

Em fevereiro, os vereadores de Mesquita abriram uma comissão processante depois que o prefeito utilizou cerca de R$ 14 milhões da Previdência municipal para pagar os salários atrasados dos servidores. Os vereadores entenderam que ele só poderia ter feito isso com autorização do Poder Legislativo e, por nove votos a dois, decidiram pela cassação do prefeito na última terça-feira.

A defesa do prefeito alegou, no entanto, que como não ocorreu empréstimo e sim transferência em cumprimento de Termo de Ajuste de Conduta firmado com o Ministério Público, o pedido de cassação não procedia.

A Justiça entendeu que a operação de empréstimo com o Instituto de Previdência, sem a autorização do Legislativo, embora não seja comum, já foi utilizada, e aceita pelo Supremo Tribunal Federal.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.