PF faz buscas no DF e no Rio Grande do Sul em desdobramento da Lava-Jato

A Polícia Federal vai às ruas na Operação Étimo, em investigação de corrupção envolvendo empreiteiras em obras públicas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 16/08/2017 07:50 / atualizado em 16/08/2017 08:11

Tânia Rêgo/Agência Brasil
 
O primeiro desdobramento da Lava-Jato no Rio Grande do Sul é realizada na manhã desta quarta-feira pela Polícia Federal (PF), que deve cumprir cinco mandados de busca e apreensão. A Operação Étimo, nome dado em referência à origem das informações que possibilitaram o aprofundamento das investigações, ocorre em meio à apuração de crimes de lavagem de dinheiro, contra o sistema financeiro e corrupção. Os mandados são cumpridos por mais de 50 policiais federais no Rio Grande do Sul e em Brasília. 
 

São dois mandados a serem cumpridos na capital Porto Alegre, um no município de Canoas e outro em Glorinha. Uma ordem de busca também deve ser cumprida no Distrito Federal. Todas foram autorizadas pela Justiça Federal, que também determinou o sequestro de bens e o afastamento de sigilo dos investigados.

De acordo com a Polícia Federal, o esquema de lavagem de dinheiro por meio de entidade associativa ligada a grandes empreiteiras foi descoberto por meio de dados obtidos a partir de compartilhamento das informações da 26ª Fase da Operação Lava-Jato (Operação Xepa). "A entidade recebia das empreiteiras um percentual do valor de obras públicas realizadas no Estado", afirmou a PF em nota. 

Segundo a investigação, contratos de assessoria entre a entidade associativa e empresas de fachada eram utilizados para dar aparência de legalidade às operações financeiras de retirada de valores. "A movimentação ilegal desses recursos, no Brasil e no exterior, sua origem e sua destinação, são objeto de investigação pela Operação Étimo", afirmou a PF. 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.