Temer: 'Déficit é assustador, mas não se resolve de um dia para o outro'

"Não tínhamos a ilusão de que você resolve os problemas do país num passe de mágica", disse

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 22/08/2017 21:06

AFP / NELSON ALMEIDA
 
 
O presidente Michel Temer disse nesta terça-feira (22/8) que o déficit público é assustador e que a situação das contas brasileiras não será resolvida num passe de mágica. "Não tínhamos a ilusão de que você resolve os problemas do País num passe de mágica", disse, durante cerimônia de abertura do Congresso Aço Brasil.
 
 
"A previsão que fizemos é que vai levar tempo para zerar o déficit público. Quando falamos em R$ 159 bilhões, estamos fazendo um déficit assustador. Não se resolve de um dia para o outro, vai se resolvendo ao longo do tempo", completou, ressaltando que que a PEC do teto dos gastos é uma das medidas que vão ajudar a resolver o déficit. "Queira Deus que possamos fazê-lo em cinco anos, seis anos, sete anos. Não vamos ter a ilusão de que em pouquíssimo tempo, em dois, três anos vamos resolver esse assunto."

Além de citar o teto dos gastos, Temer destacou a reforma trabalhista e a do ensino médio e disse que, com o apoio do Congresso, o governo possui uma "ampla agenda de reformas". "Não abandonaremos a reforma da Previdência", afirmou, destacando que o "Congresso está entusiasmado na tarefa de aprovar" a reforma. O presidente citou ainda a reforma tributária e disse que é preciso acabar com ciclo que dificulta e embaraça o sistema tributário. 

Temer ressaltou ainda que seu governo conseguiu manter políticas sociais que "estavam ameaçadas pelas ruínas das contas". Pedindo licença para ser mais informal, o presidente disse que muitas vezes é aconselhado por algumas pessoas a não mexer em assuntos delicados que provocam um "enxame de abelhas". "E eu digo que temos que fazer, pois queremos ter o reconhecimento de que fizemos as reformas", afirmou.
Tags: déficit temer
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.