Câmara retira da PEC artigo que destinava R$ 3,6 bi para fundo eleitoral

O objetivo da decisão é facilitar a aprovação do fundo entre os políticos que consideravam o valor exagerado

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 23/08/2017 21:46

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

 
Os deputados decidiram na noite desta quarta-feira (23/8) retirar da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) da reforma política o trecho que previa a destinação de R$ 3,6 bilhões para o fundo eleitoral no ano que vem. A ideia de suprimir da PEC o artigo que vinculava o Fundo Especial de Financiamento da Democracia a 0,5% da receita corrente líquida recebeu o apoio de 441 parlamentares em plenário. O objetivo da decisão é facilitar a aprovação do fundo entre os políticos que consideravam o valor exagerado. 
 
 
Apesar da decisão de retirar esse trecho da proposta, a discussão sobre os principais trechos da reforma política, como a mudança no sistema eleitoral e a criação do fundo de campanha, foi adiada mais uma vez e deve ficar para a próxima terça-feira (29/8), segundo previsão do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). A ideia agora é usar o placar dos requerimentos votados nesta quarta para traçar uma maneira de aprovar a mudança do sistema proporcional para o distritão e a criação do fundo público eleitoral. Cada um dos artigos será votado separadamente e precisará de 308 votos.

Parlamentares da oposição, que são contra o distritão, afirmaram que o placar da votação que fatiou a PEC e determinou que a alteração do sistema eleitoral seria votado antes da criação do fundo demonstra que não há votos para a adoção do modelo majoritário em 2018. Foram apenas 241 votos a favor.

Além de fatiar a votação, os deputados também retiraram trechos do relatório da comissão especial. Eles derrubaram, por exemplo, o artigo que estabelecia um mandato de dez anos para ministros de cortes superiores cuja indicação é política, como os do Supremo Tribunal Federal e Tribunal de Contas da União, entre outras.
 
Com informações da Agência Estado 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Edison
Edison - 24 de Agosto às 09:01
O Brasil está na situação que está face aos seus políticos. O país na maior crise, e querem meter a mão no dinheiro do contribuinte (da nação) como se a finalidade dos impostos fosse somente para promover as ideologias politicas. Em suma, o cidadão paga impostos não para ter Educação, Saúde, Segurança, etc, e principalmente politicas que gerem emprego. Pagamos impostos para fins ilegais como tem sido. A solução para o Brasil está muito longe, e nossos valores cada vez mais nos afastam do ideal de uma nação digna. O Brasil está a merce de poderes e interesses paralelos. Não vivemos o interesse da nação, vivemos os interesses partidários. Lamentável!