Ministro Edson Fachin devolve delação de Funaro a PGR para ajustes

O relatório com os termos do acordo de colaboração chegaram nesta semana no gabinete do ministro

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 30/08/2017 19:12 / atualizado em 30/08/2017 19:20

Lula Marques/AGPT/Fotos Públicas
 
O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, devolveu nesta quarta-feira (30/8) o relatório da delação premiada do doleiro Lúcio Funaro para a Procuradoria-Geral da República. Não é possível saber o motivo da devolução dos termos porque o processo corre em segredo de Justiça. No entanto, geralmente quando isso ocorre é para que algum ponto acertado entre o delator e o Ministério Público seja alterado.
 
 
O doleiro fechou o acordo de delação premiada no último dia 22 e concluiu os depoimentos na quarta-feira (28/8). Em depoimento, Funaro acusou autoridades com foro privilegiado de envolvimento no esquema de corrupção da Petrobras. Ele é processado pela Justiça Federal de Brasília no âmbito de três investigações da Polícia Federal (PF), que resultaram nas operações Greenfield, Sépsis e a Cui Bono? (que significa a quem interessa?). As ações envolvem suspeitas de desvios de recursos públicos e fraudes na administração de quatro dos maiores fundos de pensão de empresas públicas do país: Funcef (Caixa), Petros (Petrobras), Previ (Banco do Brasil) e Postalis (Correios). 

Nas investigações da Lava-Jato, Funaro é acusado de ser o operador do esquema de pagamento de propina para deputados do PMDB na Câmara. Ele é uma testemunha-chave nos processos envolvendo o deputado cassado, Eduardo Cunha, e os ex-ministros Henrique Eduardo Alves e Geddel Vieira Lima. A devolução ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, deve atrasar um pouco a homologação do acordo
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.