Alckmin diz que teria colocado reforma em votação logo após impeachment

No entanto, ele reconheceu que o fato de Michel Temer ter assumido o governo na condição de vice dificulta tudo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 04/09/2017 13:04

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou nesta segunda-feira (4/9), que, se tivesse no lugar, do presidente da República, Michel Temer, teria colocado a reforma da Previdência para votação no Congresso logo após o encerramento do processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. "Quem teve maioria para impeachment tem maioria para aprovar PEC Proposta de Emenda à Constituição", disse, ao participar de evento da revista Exame, na capital paulista.

No entanto, ele reconheceu que o fato de Michel Temer ter assumido o governo na condição de vice dificulta tudo. "Fui governador com voto e sem voto, quando fui vice do Mário Covas. É dificílimo, a democracia tem lógica, quando não tem voto você é meio intruso", disse o tucano. "Mas mesmo governo que não foi eleito é forte quando assume", acrescentou. 

Ao analisar a gestão de Temer, Alckmin lamentou o déficit de R$ 159 bilhões no resultado primário do Governo Central e criticou o aumento de imposto e a venda de ativos públicos para amenizar a situação fiscal. "Privatização não é só para pagar conta, é para gerar emprego, trazer investimento, o problema é falta de investimento, não tem crescimento sem investimento", afirmou.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.