Em áudio, delatores citam três ministros do STF, Cardozo e Rodrigo Janot

Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes, a presidente do Supremo, Cármen Lúcia, e José Eduardo Cardozo são mencionados em material entregue por delatores à PGR

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 05/09/2017 11:48 / atualizado em 05/09/2017 13:40

AFP Photo/Vanessa Carvalho

 
Os novos áudios entregues à Procuradoria-Geral da República, na noite da última quinta-feira (31/8), revelam um novo diálogo entre Joesley Batista e Riardo Saud. Nas gravações, os empresários da JBS citam nomes de três ministros do Supremo Tribunal Federal (STF): Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e Cármen Lúcia, presidente da Corte. Além deles, também são mencionados o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo. De acordo com os empresários, "se pegassem" o petista, "pegariam o Supremo". 
 
 
"Temos que usar (parte inaudível) Zé Eduardo, pressionar o Zé Eduardo para ele contar quem é o cara do Supremo", disse Ricardo. Em outro trecho, Josley fala sobre o ex-procurador Marcelo Miller e sobre a exigência de eles não serem presos após fecharem os acordos de delação premiada. "Se nós entregar o Zé, nós entrega o Supremo. Eu falei para o Marcelo. Falei: 'Marcelo, você quer pegar o Supremo? Quer? Pega o Zé". 

"Eu vou entregar o Executivo e você vai entregar o Zé. O Zé vai entregar um... Vou ligar e chamar ele e falar: 'Ô, Zé, seguinte: Você precisa trabalhar com a gente. Nós precisamos organizar o Supremo. A única chance que a gente tem de sobreviver. Você tem quem? Como é cada um? Qual a influência que você... nesse? Como é que a gente grampeia? O Zé vai entregar tudo", disse.  
 

Aproximação com Janot


Em outro trecho, os delatores falam em "virarem amigos de Janot". Na conversa, sem saber que estava sendo gravado, Joesley menciona a Saud novamente o nome do procurador Marcelo Miller, que estaria colaborando com eles no Ministério Público.

Marcelo foi braço direito do procurador-geral da República, Rodrigo Janot. A intenção, de acordo com as informações do diálogo, seria usar Marcelo para se aproximar do chefe do MP, em clara intenção de interferir nos processos contra eles que corriam na Justiça. 

"Eu quero nós dois 100% alinhado com o Marcelo…nós dois temos que operar o Marcelo direitinho pra chegar no Janot…eu acho…é o que falei com a Fernanda. Nós nunca podemos ser o primeiro, nós temos que ser o último, nós temos que ser a tampa do caixão…Fernanda, nós nunca vamos ser quem vai dar o primeiro tiro, nós vamos o último…vai ser que vai bater o prego da tampa”, diz Joesley Batista

A mulher citada no áudio provavelmente é Fernanda Tórtima, advogada. O conteúdo das gravações pode resultar na suspensão do acordo de colaboração premiada firmado entre os executivos da JBS e o Ministério Público. Em nota, a defesa dos empresários nega que o conteúdo das gravações viole os termos da delação. A defesa afirma que houve "uma análise prematura dos fatos".
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
João
João - 09 de Setembro às 02:02
OS PLANOS ECONÔMICOS NÃO FORAM JULGADOS ATÉ HOJE A PEDIDO DE LULA, DILMA & TEMER. ISSO CONFIGURA CRIME DE RESPONSABILIDADE NÉ JUVENAL. PARA NÃO JULGAR PAUTAS BOMBAS VENDERAM A ALMA AO DIABO.