Joesley Batista e Ricardo Saud devem ser transferidos hoje para Brasília

A prisão temporária de Joesley e Saud foi autorizada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin a pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/09/2017 07:48

Sergio Lima/AFP
O empresário Joesley Batista, um dos donos do grupo J&F, e o executivo da empresa Ricardo Saud devem ser levados de São Paulo para Brasília nesta segunda-feira (11/9) pela Polícia Federal (PF). Eles estão presos desde o início da tarde de domingo (10/9), depois de se entregarem, na sede da PF em São Paulo, onde passaram a noite. Ainda não se sabe em que horário os dois devem desembarcar na capital federal.

A prisão temporária  de Joesley e Saud foi autorizada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin a pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot.
O pedido de prisão foi feito depois de Janot concluir que os colaboradores esconderam do Ministério Público fatos criminosos que deveriam ter sido contados nos depoimentos. A conclusão de que os delatores omitiram informações passou a ser investigada pela PGR a partir de gravações entregues pelos próprios delatores como complemento do acordo.

A PGR também pediu a prisão do ex-procurador da República Marcelo Miller, mas Fachin disse que não há elemento indiciário com a consistência necessária à decretação da prisão temporária. No sábado (9/9), a defesa do grupo J&F colocou à disposição os passaportes do empresário Joesley Batista e do ex-diretor de Relações Institucionais da holding Ricardo Saud. A defesa do ex-procurador Marcelo Miller também colocou os documentos dele à disposição.

A defesa do empresário Joesley Batista e do ex-executivo do grupo J&F Ricardo Saud contestou, por meio de nota, que eles tenham mentido ou omitido informações no processo que levou ao acordo de delação premiada. "Em todos os processos de colaboração, os colaboradores entregam os anexos e as provas à Procuradoria [Geral da República] e depois são chamados a depor. Nesse caso, Joesley Batista e Ricardo Saud ainda não foram ouvidos", diz a nota.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
carlos
carlos - 11 de Setembro às 10:18
PRA INGLÊS VÊ! SÓ 5 DIAS!