Governo lança plano para emancipar beneficiários do Bolsa Família

A ideia, aponta o Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), é promover a autonomia dos beneficiários do Bolsa Família e de pessoas inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 26/09/2017 12:23

Reprodução
Beneficiários do Bolsa Família terão um incentivo para prosperar. O governo federal lançou nesta terça-feira (26/9) o Plano Progredir, que tem por intenção oferecer capacitação e microcrédito para brasileiros na pobreza extrema que queiram empreender. O programa também tem por objetivo inserir no mercado de trabalho quem esteja desempregado ou na informalidade.

A ideia, aponta o Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), é promover a autonomia dos beneficiários do Bolsa Família e de pessoas inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais. “Estamos criando, na verdade, uma grande parceria com o setor privado”, destacou o ministro da Pasta, Osmar Terra. A expectativa dele é que o plano atenda um total de 1,7 milhão de famílias.

Serão injetados no programa um total de R$ 3 bilhões ao ano, que não virão do orçamento. O crédito virá de depósitos compulsórios -- recursos que os bancos são obrigados a manter no Banco Central (BC). “É um dinheiro que estava parado e será oferecido como microcrédito para o público do Bolsa Família criar pequenos empreendimentos e terem a oportunidade de tirarem renda em cima disso”, disse Terra.

O eixo de capacitação do programa será feito em parceria entre o MDS e o Ministério da Educação. O ministro da Pasta, Mendonça Filho, vai oferecer 1 milhão de vagas em uma modalidade específica do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), que atenderá ao público do Bolsa Família. 

Já a vertente do programa que tem por intuito inserir os beneficiários no mercado de trabalho será feito em conjunto com o setor privado. Terra explicou que foi feito um acordo com representantes da classe produtiva. A ideia é que 10% dos empregos novos gerados a partir de hoje sejam dirigidos para o público do Bolsa Família. “Vamos criar um portal que vai cruzar as informações tanto das empresas, quanto do público do programa, junto com prefeitos, com informações dos Cras, e das próprias pessoas que pertençam ao Bolsa Família”, afirmou o ministro do MDS. 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.