Relator deve apresentar parecer favorável a Temer na CCJ nesta terça-feira

Apesar de Bonifácio de Andrada (PSDB-MG) garantir que ainda não tem uma opinião formada sobre o assunto, a tendência é de que ele apresente um parecer favorável à suspensão da denúncia

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 10/10/2017 06:00 / atualizado em 10/10/2017 06:49

Valter Campanato/Agência Brasil


Com uma semana mais curta, em decorrência do feriado de Nossa Senhora Aparecida, celebrado na quinta-feira, as movimentações no mundo político se concentram na denúncia que tramita na Câmara contra o presidente Michel Temer por obstrução de Justiça e por organização criminosa. O processo envolve também os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral). Enquanto no Planalto, Temer conversa diretamente com parlamentares em busca de apoio, aliados no Congresso desenham o mapa de votos na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ).
 

O relator da peça acusatória Bonifácio de Andrada (PSDB-MG), que, por causa da divisão interna entre os tucanos, passou a ocupar uma vaga do PSC na CCJ, entregará e lerá hoje o relatório. Apesar de ele garantir que ainda não tem uma opinião formada sobre o assunto, a tendência é de que ele apresente um parecer favorável à suspensão da denúncia. Andrada passou o fim de semana dedicado ao relatório e, mesmo com a sessão do colegiado marcada para as 10h de hoje, afirmou ontem que só deve conseguir entregá-lo depois das 14h. A expectativa é de que o texto seja votado na semana que vem.

Aliado de Temer, o deputado Beto Mansur (PRB-SP) acredita que o número de votos na comissão deve ser parecido com o placar da primeira denúncia feita pela Procuradoria-Geral da República (PGR) — por corrupção passiva —, quando Temer teve 41 votos contra 24. “A gente espera repetir esse número. E o feriado vai nos ajudar. O Bonifácio apresentará o relatório, a defesa apresentará a sua peça e os parlamentares terão tempo para analisar com profundidade”, disse Mansur.

É praticamente unânime entre os parlamentares a opinião de que a maioria da CCJ votará pelo arquivamento da denúncia. Entretanto, deputados da própria base acreditam que Temer terá um número menor de apoios, considerando promessas não cumpridas e a proximidade das eleições de 2018. Em levantamento feito pelo Correio com os 66 titulares do colegiado, 21 afirmaram que votarão pelo prosseguimento da denúncia, 16 contra e 29 se disseram indecisos, não quiseram responder ou não foram encontrados. Desses 29, 24 foram favoráveis a Temer na primeira denúncia, três contra, um se absteve e outro não votou.

O deputado Júlio Delgado (PSB-MG), um dos principais opositores ao presidente no Congresso, afirma que o trabalho da oposição precisa se concentrar no plenário, já que na CCJ as “cartas estão marcadas”. Uma das estratégias ainda é tentar separar a votação contra o presidente da dos ministros, o que enfraqueceria o chefe do Executivo, já que Padilha e Moreira não contam com o apoio da maioria da base. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), já afirmou que não fatiará a votação, mas a oposição busca uma forma de fazê-lo. “Que o relatório seja único, a gente está esperando. Mas a votação tem de ser separada”, defende.

Negociações

Enquanto o Congresso se organiza para a análise da denúncia, Temer segue nas negociações com parlamentares. Ontem, em encontro no Palácio do Jaburu com líderes da base aliada, o peemedebista pediu a presença do ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, a quem cobrou celeridade no processo de liberação dos recursos das emendas parlamentares. A ideia é que os recursos saiam dos R$ 12,8 bilhões descontingenciados pelo Planejamento.

Interlocutores de Temer reconhecem que, embora a manobra possa desagradar a opinião pública, a liberação de emendas acaba sendo positiva para a sociedade. “Mais da metade das emendas são para para tirar a pressão na área da saúde. São valores que não serão destinados aos parlamentares e atendem a reformas de hospitais e a compra de remédios”, disse um aliado, ressaltando que outra parte será destinada à educação.

Mesmo com a expectativa de que a denúncia seja enterrada no plenário — já que a oposição precisa de 342 votos —, Temer quer garantir um placar maior do que os 263 votos que o apoiaram na primeira denúncia. O Planalto trabalha para mostrar que o governo continua com força para aprovar reformas e tocar a agenda econômica.
 
Arte/CB/DA Press
 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
deusdede
deusdede - 10 de Outubro às 11:19
Todos nós já sabemos que o circo está armado. Porque gastar dinheiro com essa palhaçada. Já não basta o gasto com almoços, jantares, viagens, cargos etc. Deixa de brincanagem.
 
Antônio
Antônio - 10 de Outubro às 09:14
Bonifácio e Sarney, entre outros, representam a podridão histórica da Política Brasileira. Infelizmente, visto o quadro político nacional, perfis como os deles ainda vão perduram por muito tempo aqui.