Advogado de Temer chama vazamento de delação de Funaro de 'criminoso'

Eduardo Pizarro Carnelós classificou a divulgação da fala do delator como "mais um abjeto golpe ao Estado Democrático de Direito"

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 14/10/2017 15:23

Evaristo Sá/AFP

 
Em nota divulgada neste sábado, 14, o advogado do presidente Michel Temer, Eduardo Pizarro Carnelós, atacou o vazamento "criminoso" dos vídeos com depoimentos do operador financeiro Lúcio Funaro ao Ministério Público. Ele classificou a divulgação da fala do delator como "mais um abjeto golpe ao Estado Democrático de Direito".
 

Para o advogado, o vazamento teve o "claro propósito de causar estardalhaço" e constranger os parlamentares da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJC) da Câmara dos Deputados, que votarão na próxima quarta-feira o "bem fundamentado" parecer do deputado Bonifácio Andrada (PMDB-MG) sobre o pedido de autorização à Procuradoria Geral da República para dar sequência à denúncia contra Temer.

"É evidente que o criminoso vazamento foi produzido por quem pretende insistir na criação de grave crise política no País, por meio da instauração de ação penal para a qual não há justa causa", afirma. "Só isso explica essa divulgação, ao final de uma semana em que a denúncia formulada pelo ex-Chefe do MPF foi reduzida a pó pelo parecer do deputado Bonifácio de Andrada."

Na nota, Carnelós critica as autoridades que permitiram ou promoveram o vazamento, pois elas deveriam "respeitar o ordenamento jurídico". Ele atacou também a imprensa, afirmando ser inaceitável a "publicidade espetaculosa à palavra de notório criminoso, que venceu a indecente licitação realizada pelo ex-PGR para ser delator, apenas pela manifesta disposição de atacar o Presidente da República."

O advogado diz que as afirmações do "desqualificado delator" são "acusações vazias", sem provas e baseadas no que ele diz ter ouvido do ex-deputado Eduardo Cunha, "que ele já desmentiu de forma inequívoca", assim como o fizeram outras pessoas mencionadas pelo delator.

No vídeo da delação, obtido e divulgado pelo jornal Folha de S. Paulo, Funaro diz que era "lógico" que o ex-assessor especial do presidente Michel Temer José Yunes sabia que havia entregue a ele uma caixa com dinheiro em setembro de 2014. Diz, também, que Temer tentou favorecer empresas que atuam no porto de Santos (SP) durante tramitação da Medida Provisória (MP) dos Portos, em 2013.


Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.