Eleição de 2018 será a da moral e dos bons costumes, afirmam especialistas

O fato é que a polêmica de ordem moral agitou o cenário eleitoral. Em muitos casos, postagens relativas ao tema tornaram-se as mais comentadas e compartilhadas nas páginas dos respectivos políticos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 16/10/2017 07:58 / atualizado em 16/10/2017 08:16

MAM/Divulgação
 
Sem a gasolina da política, um debate sobre os limites da arte morreria dentro do seu nicho habitual. Agora, com a aproximação de uma eleição que se insinua polarizada, a repercussão da performance de um bailarino nu interagindo com uma criança e o cancelamento de uma exposição sobre diversidade sexual ganhou ares de pré-estreia. Sim, segundo especialistas de diversas áreas, os temas de ordem moral estarão na pauta eleitoral de 2018.

A mostra Queermuseu - Cartografias da Diferença na Arte Brasileira em Porto Alegre foi cancelada no último dia 10 de setembro. Frequentadores chegaram a acusá-la de blasfêmia, pedofilia e zoofilia. Dias depois, imagens registradas no Museu de Arte Moderna (MAM), em São Paulo, durante a performance La bête, parte do 35ª Panorama da Arte Brasileira, também renderam acusações de pedofilia e manifestações pró e contra em frente ao museu.

Políticos com pretensões eleitorais não deixaram passar a oportunidade. O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), postou um vídeo dizendo que para "tudo existe limites"; o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) acusou de "canalhas" os responsáveis pela performance e pela exposição; o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) chamou de "crime" a exposição de menores à nudez; o pré-candidato Ciro Gomes também entrou no debate: em vídeo, defendeu a exposição de Porto Alegre; já o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), apressou-se em afirmar que na cidade dele a tal exposição não chegaria. O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), apenas compartilhou um post oficial do governo do Estado informando que o MAM é uma instituição privada. Os pré-candidatos Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Marina Silva (Rede) não se manifestaram publicamente sobre o assunto.

O fato é que a polêmica de ordem moral agitou o cenário eleitoral. Em muitos casos, postagens relativas ao tema tornaram-se as mais comentadas e compartilhadas nas páginas dos respectivos políticos. Além disso, projetou um debate eleitoral que, além das filigranas da economia e da necessidade ou não de reformas, vai esbarrar em direito de aborto, descriminalização das drogas, políticas de gênero (como o chamado casamento gay) e o que mais couber no pacote da moralidade. "Será a eleição da moral e dos bons costumes", disse o cientista político Marco Antônio Teixeira (FGV).

Segundo Teixeira, fenômenos como Bolsonaro e a força da bancada religiosa (não só evangélica) empurram o debate para esse front. "Tem muita gente surfando na onda dessa pauta regressiva, na religião, com viés eleitoral", disse.

Já o especialista em marketing político Carlos Manhanelli vê uma utilidade prática no ressurgimento desse tipo de pauta. "Em uma eleição polarizada, os temas morais ganham protagonismo porque eles delimitam os campos com mais clareza. Você sabe quem é esquerda ou é direita."

Para o teólogo Gerson Leite de Moraes (Mackenzie), o embate moral é de ordem terrena. "O eleitor está vivendo esse desencantamento com a política. Tem frustrações acumuladas por situações com a Lava Jato e outras investigações. Muitos pensam: 'já que a economia está sequestrada eu vou me identificar com um político que fala o que eu penso'". Moraes afirma que "falar o que penso" está muito conectado com pontos de vista conservadores.

"As redes sociais fizeram com que esse conservador perdesse a vergonha de ser conservador e encontrasse pessoas que pensam como ele."

A filósofa Carol Teixeira (PUC-RS) não tem dúvida de que a moralidade será o carro chefe das próximas eleições. "Mesmo que de forma covarde, como muitas vezes esses assuntos são abordados, certamente são temas atrativos para os eleitores, muitas vezes é aí que se define um voto."

O psicanalista Jorge Broider argumenta que "uma eleição toma o eleitor como um todo". "Uma campanha política tenta atingir o consciente e o inconsciente do eleitor. Em um período de incertezas, quem falar mais com um conjunto de valores e com a moral vai se beneficiar." A ver. 

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Aminadab
Aminadab - 16 de Outubro às 11:57
Os Bolchevistas do PT e do Brasil estão FORÇANDO a barra, querem que as ORGIAS; AS MAGANAGENS da imaginação do KARL Marx, colocadas na forma de Lavagem Cerebral nos Coco dos Imorais políticos Bolchevistas, não representa a Família Cristã Brasileira e, isso poderá trazer de volta uma Onda Calvinista... Já que a Igreja Católica é BOLCHEVISTA desde os anos 60.