Maioria dos deputados do DF vota para livrar Temer de denúncia

Apenas os deputados Augusto Carvalho (SD) e Erika Kokay (PT) votaram pelo prosseguimento da denúncia contra o presidente

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 25/10/2017 21:16 / atualizado em 25/10/2017 21:29

AFP / EVARISTO SA
 
 
Refletindo o resultado obtido no plenário da Câmara dos Deputados, a bancada do Distrito Federal na Casa também votou, em sua maioria, pelo arquivamento da denúncia contra o presidente Michel Temer, acusado de organização criminosa e obstrução da Justiça. Dois oito parlamentares eleitos pelos brasilienses, seis votaram para salvar o presidente: Alberto Fraga (DEM), Izalci Lucas (PSDB), Laerte Bessa (PR), Rogério Rosso (PSD), Ronaldo Fonseca (Pros) e Rôney Nemer (PP). Os votos contrários ao peemedebista foram dados por Augusto Carvalho (SD) e Erika Kokay (PT).
 

O resultado foi praticamente o mesmo da votação da primeira denúncia contra o presidente, em agosto. Nenhum deputado da bancada do DF mudou seu voto. A única alteração veio da parte de Rôney Nemer, que na primeira votação estava de licença médica por causa da morte do pai.

Ao declararem seus votos, dois parlamentares trocaram farpas entre si. Alberto Fraga disse que "se o PT vota não, é claro que eu voto sim". Como resposta, ele ouviu da petista Erika Kokay: "se os corruptos votam sim, eu voto não".

Veja o que disseram os deputados na hora do voto:

Alberto Fraga (DEM) - Sim: "Se o PT vota não, é claro que eu voto sim"

Augusto Carvalho (SD) - Não: "Coerente com a minha votação lá do impeachment. Na primeira denúncia eu votei favorável à investigação e agora sou favorável à investigação, ao prosseguimento dela. Voto não ao relatório"

Erika Kokay (PT) - Não: "Se os corruptos votam sim, eu voto não. Eu voto não em defesa do povo brasileiro, voto não contra a compra de votos, voto não contra as reformas que retiram direitos. Eu voto não a Michel Temer que é [com o microfone desligado] inaceitável"

Izalci Lucas (PSDB) - Sim: "Voto sim, presidente"

Laerte Bessa (PR) - Sim: "Senhor presidente, quadrilha organizada é do PT e os puxadinhos dali. Voto sim"

Rogério Rosso (PSD) - Sim: "Senhor presidente, espero que depois dessa votação esse Congresso Nacional, essa Câmara dos Deputados volte a ter o seu protagonismo que nunca deveria ter deixado de ter. Parabéns a sua condução imparcial nesse processo. [Com o microfone desligado] Meu voto é sim"

Ronaldo Fonseca (Pros) - Sim: "Senhor presidente, eu voto pelo prosseguimento da denúncia nos termos da Constituição Federal e das razões jurídicas do relatório da CCJ. Meu voto é sim"

Rôney Nemer (PP) - Sim: "Sim" 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.