Funaro diz que teve 'no mínimo' 780 encontros com Eduardo Cunha

Ele mencionou que tinha uma sala em seu escritório para guardar dinheiro

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 27/10/2017 19:40

O corretor Lúcio Funaro afirmou na tarde desta sexta-feira, 27, que se encontrou "no mínimo" 780 vezes com o ex-deputado Eduardo Cunha, ao detalhar em depoimento à Justiça Federal a relação e os negócios que mantinha com o peemedebista. "Uma relação que durou aí 15 anos e eu encontrei pelo menos uma vez por semana com o deputado Eduardo Cunha. São 780 encontros no mínimo", disse Funaro ao juiz Vallisney de Oliveira, fazendo a conta de cabeça. Cunha foi "centenas" de vezes no escritório de Funaro, disse o delator. Segundo ele, o peemedebista tinha liberdade para entrar no escritório e sentar na cadeira do corretor para receber "quem quiser".


Funaro presta depoimento nesta tarde à Justiça Federal em Brasília e confirma informações de sua delação premiada. O corretor confirmou a divisão de dinheiro de propina com Cunha. Ele mencionou, por exemplo, que tinha uma sala em seu escritório para guardar dinheiro.

O corretor também afirmou que o peemedebista gastava "na própria política" o dinheiro que arrecadava. Segundo ele, "tem político que guarda para si" e outros que usam o valor para angariar apoio na política. "Eduardo Cunha usou 100% na própria política, sou convicto de que tudo o que ele tem e arrecadou gastou na própria política", disse Funaro.

Leia mais notícias em Política

Antes de Funaro, o também delator Alexandre Margotto prestou depoimento e disse ter visto um funcionário supostamente ligado a Cunha ir buscar dinheiro vivo no escritório do corretor. Funaro afirmou: "Eu tinha uma sala no escritório à parte, que era sala onde ficava o dinheiro". Ele falou que chegou a ter R$ 5 milhões em espécie. "O Alexandre (Margotto) trabalhou lá até 2013. Em 2013 foi quando Cunha se candidatou a líder do PMDB da Câmara. Foi uma época que o Cunha precisou de dinheiro. Ele (Margotto) pode ter visto o Altair (emissário de Cunha) pegando dinheiro, sim", disse Funaro.

O corretor Lúcio Funaro e o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha estão frente a frente. Funaro implicou diretamente o peemedebista na sua delação. Os dois, que estão presos, participaram de audiência na 10ª Vara da Justiça Federal em Brasília, na Operação Sépsis, que investiga desvios em contratos do FI-FGTS, administrado pela Caixa.

Funaro afirmou que conhecia também o ex-ministro Henrique Eduardo Alves - outro réu na ação oriunda da operação Sépsis. Ele disse que esteve "várias vezes" com Henrique Alves e menciona um encontro deles na casa do empresário Joesley Batista, no qual também estavam presentes Cunha e o ex-diretor da J&F Ricardo Saud.

Funaro afirmou que Cleto sabia que iria operar pagamentos "desde o momento que entrou" na Caixa. "Não ia pedir um cargo no governo na Caixa para não ganhar nada. E ninguém indica alguém que não seja para ter algum proveito ou financeiro ou político", disse Funaro sobre a indicação de Cleto, patrocinada pelo PMDB.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.