Ministro das Cidades pede demissão e abre espaço para reforma ministerial

Saída de Bruno Araújo facilita o caminho para o presidente escolher o próximo nome a ser retirado do governo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 13/11/2017 18:01 / atualizado em 13/11/2017 18:17

Antonio Cruz/Agência Brasil


O ministro das Cidades, Bruno Araújo, não é mais integrante do governo federal. Deputado federal pelo PSDB, ele entregou ao presidente da República, Michel Temer, uma carta de demissão nesta segunda-feira (13/11). A saída do tucano abre caminho para a tão cobrada reforma ministerial. 


Leia mais notícias em Política

Aliados de Temer cobram do presidente um ajuste proporcional nas quatro pastas ocupadas pelos tucanos. Como o PSDB ficou claramente dividido na votação da segunda denúncia contra Temer, a base governista avalia como essencial o corte de dois peesedebistas. A saída de Bruno facilita o caminho para o presidente escolher o próximo nome a ser retirado do governo. 

O corte na última vaga deve ficar entre a ministra de Direitos Humanos, e o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Antônio Imbassahy. O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, pertence à cota do Senado Federal e não deve sequer ser cogitado. 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.