Agentes da PF deixam a Câmara, e deputado Gaguim refuta acusações

As diligências fazem parte da 6ª fase da Operação Ápia, deflagrada em conjunto com a Procuradoria-Geral da República para cumprir 16 mandados de busca

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 13/12/2017 13:31


Luis Macedo/Câmara dos Deputados
 
Os agentes da Polícia Federal (PF) que cumpriam mandados de busca e apreensão nos gabinetes dos deputados Carlos Gaguim (Pode-TO) e Dulce Miranda (PMDB-TO) já deixaram a Câmara dos Deputados. A PF também cumpriu mandados na capital, Palmas, e na cidade de Araguaína, no Tocantins.

As diligências fazem parte da 6ª fase da Operação Ápia, deflagrada em conjunto com a Procuradoria-Geral da República para cumprir 16 mandados de busca e apreensão e oito de intimação de citados em acordos de delação premiada homologados pelo Supremo Tribunal Federal (STF). A operação pretende desarticular uma organização criminosa que atuou no Tocantins e está sendo investigada pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.
 

Segundo a PF, o esquema envolvia corrupção de servidores públicos e agentes políticos, fraude em licitações públicas e superfaturamento de obras de terraplanagem e pavimentação asfáltica de rodovias estaduais. No esquema, servidores recebiam propina para beneficiar empresários que recebiam os recursos públicos por meio de contratos firmados com o governo estadual, mas não executavam os serviços pagos. O valor do financiamento para as obras passa de R$ 1,2 bilhão, os recursos são do Banco Nacional do Desenvolvimento Social e Econômico (BNDES).

Em nota, o deputado Carlos Gaguim afirmou que, durante seu mandato como governador (2009-2010), a empresa citada nas investigações não venceu nenhuma licitação e não firmou contratos com o governo do estado. As obras foram licitadas antes de seu mandato e estavam em andamento desde o governo anterior, diz a nota.

O deputado alega ainda que as doações feitas pela empresa nas eleições de 2010 foram direcionadas ao PMDB e que não tinha acesso às contas do partido. Gaguim refuta as acusações e nega ter recebido valores do delator por meio de assessores. O deputado destaca ainda que se dirigiu hoje de, manhã voluntariamente, à Superintendência da Polícia Federal para prestar esclarecimentos.

Por meio de sua assessoria, a deputada Dulce Miranda informou que está colaborando com as investigações e ainda precisa se inteirar do processo para se manifestar.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.