Publicidade

Estado de Minas

Eleições para deputados e senadores vão renovar menos do que o povo espera

Levantamento feito pelo Diap mostra que regras eleitorais aprovadas por deputados e senadores, no ano passado, aliadas à necessidade dos políticos de manter o foro privilegiado, diminuem as chances das eleições de novos nomes para a Câmara


postado em 05/02/2018 06:00 / atualizado em 05/02/2018 09:36

Crise política deixa a impressão de mudanças. Mas renovação de rostos este ano será menor do que a média histórica (foto: Minervino Junior/CB/D.A Press )
Crise política deixa a impressão de mudanças. Mas renovação de rostos este ano será menor do que a média histórica (foto: Minervino Junior/CB/D.A Press )


A renovação de rostos e nomes na Câmara, nas eleições de outubro, será menor do que a média histórica, para decepção dos brasileiros. O desgosto com os atuais políticos e o provável aumento nos votos nulos, brancos e abstenções seguem altos, como herança da crise política. Mas as regras criadas pelos próprios parlamentares na reforma política, incluindo a nova janela de transferências partidárias em março, e a necessidade de muitos de manterem o foro privilegiado pela multiplicação das investigações de corrupção, diminui as expectativas de mudança.

E mesmo que ocorram, poderão ser apenas simbólicas. Muitos políticos, desgastados, abrirão espaço para filhos e parentes com o objetivo de manter o clã no poder. Existe ainda o caso dos parlamentares que perderam o fôlego eleitoral e que, sem condições de disputar eleições majoritárias para senador, buscarão manter-se em Brasília graças às eleições proporcionais para deputados.

Levantamento feito pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) mostra que, nas últimas cinco eleições para a Câmara, a média de renovação tem se mantido estável, na casa dos 45%. Nas últimas sete disputas, a maior renovação aconteceu em 1989, quando 61,82% dos deputados que assumiram em 1990 não estavam lá um ano antes. Aquela eleição tinha características peculiares. Foi a primeira após a permissão para que eleitores acima de 16 anos votassem. Além disso, foi casada com o primeiro pleito presidencial após a redemocratização, o que aumentou a atenção dos brasileiros para a política.

Para o diretor de documentação do Diap, Antonio Augusto de Queiroz, o índice de renovação das cadeiras da Câmara sempre está ligado ao cenário político. “Quando o ambiente é de crise, com escândalos, a renovação tende a aumentar. Quando é de relativa estabilidade, o desejo de mudança diminui. O índice de renovação também está associado ao número de candidatos à reeleição. Quanto mais parlamentares disputam a reeleição, menor o índice de renovação, pelas notórias vantagens que têm aqueles que concorrem à reeleição”, disse.

Leia as últimas notícias de Política


Na visão do especialista, a crise deste ano não conseguirá mudar os rostos conhecidos. As alterações nas regras para o troca-troca partidário também impactam nesse cenário. A legislação anterior afirmava que, para se candidatar, o interessado precisava filiar-se um ano antes à legenda pela qual disputaria o pleito. Deputados e senadores criaram uma janela, seis meses antes das eleições, entre março e abril. “Essa nova janela dá ao detentor de mandato e candidato à reeleição enorme vantagem para negociar tratamento privilegiado em seu partido, exigindo a garantia de espaço diferenciado no horário de rádio e TV, além de mais recursos do fundo eleitoral, sob pena de mudar para outro partido que lhe ofereça tais vantagens”, reforçou Queiroz.

Para o deputado Danilo Forte (DEM-CE), que já trocou de legenda duas vezes nos anos recentes, a política brasileira ainda manterá o seu perfil oligárquico. “Minha grande preocupação é que tudo isso aumente ainda mais o desencanto das pessoas com a política”, disse ele. “Muitas dessas famílias se perpetuam no poder desde o Império”, completou, citando o caso do relator da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer na Câmara, Bonifácio de Andrada (PSDB-MG), parente direto do patriarca da Independência, José Bonifácio de Andrada e Silva.

O líder do governo na Câmara, Agnaldo Ribeiro (PP-PB), acha que o ímpeto de renovação não significa um futuro melhor do que o presente. “O novo nem sempre será melhor do que aquele parlamentar que o eleitor já conhece. É fundamental que as pessoas votem com uma visão analítica e não apenas pela emoção”, afirmou ele.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade