SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

COMPORTAMENTO

Garotos de saias (ou vice-versa)

Seu filho insiste em usar roupas do sexo oposto? Tal atitude pode ser passageira ou um indício de transtorno de gênero. Consultora americana conta em livro por que decidiu acatar o pedido do filho de 5 anos e vesti-lo como uma "princesa"

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 25/02/2011 19:33 / atualizado em 26/02/2011 21:48

Maurenilson Freire/ CB/D.A.Press
Era Halloween, uma das mais tradicionais festas da cultura norte-americana e das mais celebradas pelas crianças. A consultora Cheryl Kilodavis levava seus dois filhos, Dkobe e Dyson, para comprar fantasias. Ao chegar à loja, Dkobe, o mais velho, foi direto àquelas de super-heróis. Dyson, ao contrário, dirigiu-se até uma sessão repleta de brilhantes asas de borboletas, vestidos de princesa e acessórios cor-de-rosa. Olhava tudo com extrema atenção, até que encontrou um vestido azul que o fez sorrir de orelha a orelha. “Ele retirou do cabide, mediu em seu corpo e começou a implorar que eu comprasse. Meu filho desejava se vestir de princesa no Halloween”, lembra Cheryl, em entrevista à Revista.

Não era a primeira vez que Dyson, hoje com 5 anos, demonstrava interesse por peças feminina. Desde os 2 anos, gostava de roupas cor-de-rosa, brilho e joias. Sua primeira reação foi de choque. Com firmeza, a mãe tentava tirar essas ideias da mente do filho, mesmo sem encontrar apoio no marido, Dean. “Ele dizia que, se aquilo o fazia feliz, não havia problemas.” Mas ela não aceitava. “Só quando Dkobe me perguntou porque eu não queria deixar Dyson ser feliz que percebi: eu estava fazendo a vida do meu filho miserável.” Em vez de repressão, decidiu pelo apoio.

Se, para ter uma infância alegre, Dyson precisava usar vestidos, não seria ela quem impediria. A história de como ela aceitou o processo de formação da identidade de gênero do filho tornou-se o livro My princess boy (Meu garoto princesa, em tradução livre), no qual ela conta como sua família entendeu que o mais novo era diferente do que esperavam. “Claro que eu tinha uma imagem de uma família perfeita na minha cabeça. Mas o livro veio para falar de aceitação. Foi feito para começar e continuar um diálogo sobre como ajudar crianças a serem o que elas são”, garante Cheryl.

Se a falta de entendimento perante o diferente é comum na idade adulta, se torna ainda maior quando o alvo do preconceito é uma criança. Quando as discussões entram no âmbito da identidade de gênero, a incompreensão, em muitos casos, também é repressora, ocasionando comportamentos como o bullying.

Não há como definir o que é normal na formação da identidade de gênero de uma criança. “Podemos dizer que o natural é que haja compatibilidade anatômica e mental”, afirma o psiquiatra Alexandre Saadeh, coordenador do ambulatório de transtorno de identidade, de gênero e orientação sexual do Hospital das Clínicas de São Paulo. Ou seja: se nasce com corpo masculino e a mente masculina, ou o contrário. Entretanto, diferente da sexualidade, o Transtorno de Identidade de Gênero leva a pessoa a não se reconhecer na imagem que vê no espelho. E, apesar de raro, o processo se inicia ainda na infância.

Como os pais devem agir?

Arquivo pessoal
Sarah Iwankiw nasceu Michel e, aos 26 anos, trocou de sexo. “Aos 3, em minha lembrança mais antiga, já vivia pegando as maquiagens e joias da minha irmã para usá-las.” Diferente de Dyson, o filho da consultora Cheryl Kilodavis (leia nas páginas 8 e 9), Sarah foi completamente proibida de exercer suas vontades relacionadas ao universo feminino. “Fui vítima de bullying desde sempre, hostilizada pelos meninos e isolada pelas meninas. Quando, na infância, quis deixar o cabelo crescer, fui repreendida por minha mãe, que disse não ser coisa de menino. Nas aulas de teatro da escola, queria papéis femininos e meus pais desaprovavam.”
Segundo o psiquiatra Alexandre Saadeh, as histórias como a de Sarah são comuns no universo dos que tem o problema. Para o especialista, a liberdade que os pais de Dyson dão a ele pode ser boa, mas só se o garoto for mesmo portador do transtorno de gênero.

Isso porque nem toda criança que tem comportamentos relativos ao sexo oposto está indecisa quanto à sua identidade sexual. O psiquiatra Fábio Barbirato, diretor do Centro de Atendimento e Pesquisa de Psiquiatria da Infância e Adolescência (Capia) da Santa Casa do Rio de Janeiro, garante que, muito mais que olhar para dentro da criança, é preciso analisar o que ocorre à sua volta. “A infância não dá estrutura para que sejam feitas escolhas sexuais. Muitas vezes, os filhos tomam atitudes baseadas nos desejos ou decepções dos pais”, argumenta.

Barbirato dá como exemplo um pai que, frustrado por não ter um varão, resolve projetá-lo na filha pequena, jogando futebol com ela ou vestindo-a com roupas de aspecto masculino. Ou uma mãe que estimula o filho a se comportar como a menina que ela sempre quis ser. Ainda há casos de filhos que, sentindo-se preteridos diante dos outros, assumem características dos irmãos para serem aceitos.

As escolhas sexuais, o desejo sexual direcionado a mulheres ou homens, garante Barbirato, só são definidos na adolescência. À infância cabem as definições de identidade e também de autoconhecimento. “Se a criança apresenta um romantismo exagerado ou comportamento sexual direcionado, aí sim pode ser um problema.”

O psiquiatra elenca três justificativas para comportamentos como esse: abuso sexual, exposição a estímulos incompatíveis com a idade ou a falta de um modelo familiar estruturado. Não é o caso de Dyson. Parte de uma típica família americana, com pais que demonstram se amar, ele ainda tem o pai e o irmão de 8 anos como exemplos de identidade masculina tradicional. E, como outra prova do apoio ao filho mais jovem, Cheryl diz que a rotina em casa mantém-se a mesma. “Dyson gosta de brincar nas árvores, chutar bolas de futebol, jogar games e pintar. A diferença é que ele faz isso de vestido.”

Aos pais que já surpreenderam os filhos imitando o sexo oposto, o primeiro alerta é contra a repressão. Depois, segundo o psiquiatra Alexandre Saadeh, vem a análise do sentimento da criança ao adotar comportamentos contrários ao seu gênero. “Se há realização ou felicidade intensa, pode ser que a criança tenha um transtorno. Na maioria dos casos, ela quer apenas mais atenção.”

O exemplo Jolie Pitt

AFP PHOTO/Yoshikazu TSUNO
Fora do Brasil, as roupas masculinas da pequena Shiloh Jolie Pitt (à direita), filha do casal hollywoodiano Brad Pitt e Angelina Jolie, repercutiu em várias revistas sensacionalistas, que acusam os pais de quererem transformar a filha em um garoto. Os astros, no entanto, alegam acatar a vontade da filha, hoje com 4 anos, que desde os 2 anos começou a aparecer com figurino masculino.

 

 

 

 

 

 

Polêmica na área médica
Mas, e caso seja provado que a criança tem um transtorno de identidade de gênero? A Sociedade Internacional de Endocrinologia acredita que a solução é bloquear a puberdade. Sem a liberação hormonal da adolescência, os traumas decorrentes do desenvolvimento completo dos órgãos genitais naqueles que têm, comprovadamente, transtorno de gênero são atenuados. O corpo se mantém em uma espécie de eterna infância, o que daria tempo para as crianças crescerem e, de fato, entenderem se precisam ou não mudar de sexo. Alexandre Saadeh explica que não existe consenso médico no Brasil sobre o assunto.

O especialista tem levado a discussão a todos os congressos que participa, a fim de apressar as decisões e, com isso, evitar o sofrimento de quem tem o problema. “Tenho recebido muitos adolescentes de 12, 14 e 16 anos que se declaram com transtorno de gênero. Mas, no país, só adultos podem mudar de sexo”, informa.

O acompanhamento psicológico e psiquiátrico leva dois anos, no mínimo. Durante esse tempo, a equipe médica conhece a vida do paciente, para analisar se ele pode chegar ao momento da cirurgia. “Quando contei aos meus pais que queria ajuda, com 17 anos, eles me levaram em vários psicólogos e sexólogos. Os testes, entrevistas e diálogos são extensos, tristes e fazem você repassar muitas situações delicadas. Todos foram unânimes no diagnóstico e, em 2006, fiz a cirurgia”, recorda Sarah Iwankiw.

Desde 1997, o Brasil realiza, de forma experimental, o procedimento de mudança de sexo. Em 2002, foi autorizada a troca de homem para mulher. Em 2010, de mulher para homem. Atualmente, os estudos se focam na neofaloplastia, que é a construção de um pênis nos transsexuais femininos.

A formação da sexualidade
A partir do momento em que suga o leite da mãe para se alimentar, a criança começa a desenvolver sua sexualidade. “Nos seres humanos, a sexualidade tem uma relação muito menos estreita com a vida instintiva. Ela também é construída através das influências culturais”, explica Alessandra Ricciardi Gordon, mestre em psicologia pela Unifesp e membro da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo.

A especialista explica que o processo de aquisição de uma identidade de gênero ocorre logo após a primeira infância, que vai de 0 a 3 anos, e não é linear. As chamadas fases oral, anal e genital do desenvolvimento da libido acompanham as crianças até a adolescência. Na fase oral, em que a alimentação é o único esforço vital do bebê, características como a tolerância à frustração, voracidade e a separabilidade (a noção de que se é separado do outro) são mais estimuladas. Na fase anal, paralela ao amadurecimento das estruturas que permitem o funcionamento do esfíncter anal, se dá a retirada das fraldas. A necessidade de controlar as fezes, de acordo com Alessandra, auxilia a criança a entender que o mundo é um local que tem organização e disciplina, que tudo funciona segundo determinados parâmetros. “Na fase genital, vai se encaminhar a escolha do objeto sexual, ou seja, o objeto amoroso.”
Para a psicanalista, somente um conhecimento maior dos desejos inconscientes dos pais do menino Dyson traria a certeza do transtorno de identidade de gênero. Sem um diagnóstico preciso, até mesmo a liberdade que Dyson tem pode trazer prejuízos. “Naturalmente, não é útil para a criança e sua formação que os pais façam tudo que ela deseja, pois o ‘não’ é fundamental para a construção da sua personalidade.”

O toque na infância
Uma das maiores dificuldades dos pais é saber como reagir quando seus pequenos descobrem que tem órgãos genitais e decidem mexer com eles. Segundo o pediatra Eric Yehuda Schussel, do Departamento Científico de Pediatria do Comportamento e Desenvolvimento da Sociedade Brasileira de Pediatria, essa fase é importantíssima para uma vida sexual saudável na idade adulta. “Só podemos ter prazer no sexo caso conheçamos o nosso corpo e a criança tem prazer em se descobrir.”

Essas descobertas, para Eric Yehuda, devem vir sempre acompanhadas de diálogo, que vai ser pautado na cultura do local onde a criança nasce, mostrando que não é errado se tocar, mas que há hora e lugar. “E é bom lembrar: não há relação entre comportamentos infantis e a definição da sexualidade no futuro”, alerta o médico.

Transexualidade na mídia

Mauricio Lima/AFP Photo e Fred Rozario/TV Globo/Divulgação
Dois casos recentes envolvendo transtorno de identidade de gênero chamaram a atenção da sociedade brasileira. No primeiro, a brasileira Lea T (esquerda). surgiu como a primeira modelo internacional assumidamente transexual e hoje figura entre as 50 mais badaladas do mundo. Filha do jogador de futebol Toninho Cerezo, ela esteve entre as mais assediadas durante a última edição do São Paulo Fashion Week. Vivendo na Itália, a top, que ainda não fez a cirurgia para mudar de sexo, deixou claro, em entrevista para a apresentadora norte-americana Oprah Winfrey, que seu pai sente orgulho de quem ela é.

Em um caso menos glamoroso, o programa Big Brother Brasil teve, entre seus integrantes, a transexual Ariadna (direita). Depois de sofrer diversos abusos em casa, saiu do país e fez sua cirurgia no exterior. Mesmo entre participantes homossexuais, pôde se perceber preconceito em relação a Ariadna. O que demonstrou que a discussão sobre identidade de gênero no país ainda precisará de muito tempo para amadurecer.

Tags: