CASA

Escultura feita em degraus

Além da função primordial, as escadas podem ser belas construções que sofisticam o ambiente

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 18/01/2015 08:00 / atualizado em 15/01/2015 19:59

Juliana Contaifer


Escadas não são apenas um item necessário para casas e apartamentos de mais de um andar. Hoje, os degraus emprestam personalidade ao ambiente, para além da funcionalidade. Há, inclusive, projetos que usam o vão entre os pisos para abrigar armários, gaveteiros, adegas e prateleiras de livros. "Na arquitetura, todos os espaços devem ser aproveitados, e as escadas costumavam ficar escondidas. Hoje, prefiro trabalhar com a escada como uma escultura, com um guarda-corpo legal. Para deixá-la mais imponente e charmosa, costumo fazer os primeiros degraus maiores", explica a arquiteta Larissa Dias.

"Não existe ‘moda’ ou uma tendência que dite as regras para o projeto de uma escada. O tipo e os materiais definidos devem ser escolhidos de acordo com a função, a posição e a estética existentes no ambiente em que estão inseridas", afirma o arquiteto Guilherme Araújo. Pedras e madeiras são as principais matérias-primas dos degraus. "Para o acabamento, a pedra é interessante, pois é viável cortar as quinas a 45º, e a madeira permite um acabamento chanfrado nas pontas", enumera Larissa. Os contraindicados são os porcelanatos e as cerâmicas — no canto dos degraus é possível enxergar a espessura das placas, o que deixa o acabamento menos bonito. E a altura dos degraus é padrão, 17,5cm. "Até o leigo percebe se essa medida não é respeitada", afirma a arquiteta.

O guarda-corpo é outro aspecto importante. Se muito cheio de detalhes, tira a leveza, o movimento e a elegância da escada. Atualmente, a moda é minimalista — o corrimão costuma ser de vidro ou de metal, em linhas retas. "É preciso equilibrar função, estética e segurança", conta Guilherme Araújo.

 

Claussem Bonifácio/Divulgação

 


Claussem Bonifácio/Divulgação

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.