BELEZA

Cabelos que mandam

Fios rebeldes, desfiados e secos ao vento substituem a prática de modelar, alisar e secar o cabelo. A beleza do SPFW aposta no visual sem penteado

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 25/10/2015 08:00 / atualizado em 23/10/2015 12:37

Renata Rusky /Revista

Ze Takahashi/ Agência Fotosite

%u3000

Muitas brasileiras já abriram mão da chapinha e do babyliss. Aposentaram qualquer equipamento para modelar o cabelo. No calor de Brasília, o secador é visto quase como um inimigo. O cabelo rebelde, que se recusa a estar como a dona quer, também. Mas contra esse, muitas desistiram de lutar. Aos poucos, até os mais opressores do mundo, como os ditadores de moda, deixam as regras de lado e focam na beleza natural. Essa foi uma aposta conferida na passarela de alguns desfiles do São Paulo Fashion Week, inverno 2016.

Parece que a moda é mesmo não estar com tudo tão no lugar. A proposta é abraçar e até reforçar aquilo que sempre se pregou ser inadequado, feio ou bagunçado. Quando o tema é madeixa, que exige tanto tempo para se arrumar, a tendência apresentada oferece algo de muito libertador. Sair com os fios molhados e deixá-los secar como bem entenderem é coisa que poucas mulheres têm a audácia de fazer. Agora, diz a moda que corajosas são as que gastam meia hora para arrumar mecha por mecha com um babyliss, por exemplo.

O desfile da Animale exibiu mulheres com os cabelos lisos e cheios de frizz, com ondas irregulares e também encaracolados. Todos igualmente bonitos. A ideia de que na passarela pode e na vida real não foi subvertida. O que se vê nas ruas é o que apareceu no desfile. As modelos apresentadas pela Uma, da estilista Raquel Davidowicz, assim como as de Ronaldo Fraga exibiram cabelos desfiados com o pente. Em Uma, eles estavam soltos e extremamente volumosos. Na beleza da marca mineira, estavam contidos por um rabo de cavalo.

Leia a reportagem completa na edição nº545 da Revista do Correio. 

%u3000
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.