Publicidade

Estado de Minas PHOTO & GRAFIA

Encontro marcado com a memória candanga


postado em 24/04/2016 08:00 / atualizado em 22/04/2016 13:11

(foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
(foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
 

Este ano, parece que o aniversário da capital ficou meio esquecido. Lembrar-nos é um dos papéis dos museus. Rosane Stuckert, diretora do Museu Vivo da Memória Candanga, preparou, ao lado do artista plástico Delei, uma exposição sobre o mundo de Zezé, arte-educadora já falecida, fundadora da Escolinha de Criatividade EQS 304/104 e que trabalhou no Sarah.

 

(foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
(foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
 

Preparando a mostra, que encanta pela ludicidade e tem obras raras, como um retrato da homenageada feito por Alfredo Ceschiatti, resolveram também montar uma retrospectiva do trabalho do próprio Delei e do Paulino Aversa. As obras da dupla, que têm a cidade como tema principal, ocupam uma grande galeria do último conjunto arquitetônico original da construção de Brasília — o antigo hospital foi construído em dois meses em 1957 e funcionou como tal até 1974.

 

(foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
(foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
 

Hoje, o local, além de lembrar como era a cidade no início, guarda fotos históricas de Joaquim Paiva, Mário Fontenele e maquetes. Além disso, abriga cursos de cerâmica e tecelagem, e é sede de um clube de carros antigos. As fachadas coloridas das casinhas viraram locação preferida para muitos fotógrafos. Noivas e debutantes vão guardar em seus álbuns um encontro com o passado candango.

 

(foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
(foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade