ENTREVISTA

A Revista conversou com a influenciadora digital Mica Rocha, confira!

Cheia de talentos, Mica Rocha inspira seus fãs ao assumir seu lado verdadeiro e cômico. Ela esteve em Brasília para lançar seu segundo livro e bateu um papo com a gente

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 09/04/2017 08:00 / atualizado em 07/04/2017 20:47

Mica Rocha, 31 anos, pode ser definida como uma mulher multitarefas, daquelas que não têm medo de novos trabalhos ou de desafios. Formada em publicidade, sempre gostou de se comunicar, mas conta que demorou para perceber as possibilidades que essa habilidade poderiam lhe render profissionalmente.
 
Eleita pela revista Forbes Brasil como um dos 30 jovens mais promissores do país, na categoria influenciadores digitais, o currículo de Mica Rocha é diversificado. Blogueira, youtuber, apresentadora de tevê, influenciadora digital e, agora, escritora. Para facilitar, ela se define como criadora de conteúdo. “Fui me conhecendo por meio das redes sociais e descobrindo também o que mais gostava de fazer. Acabei me encontrando nessa linha de relacionamento, autoestima e mundo feminino. Eu me apaixonei completamente”, afirma Mica.
 
Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press


 
No Instagram, são 529 mil fãs que acompanham as postagens divertidas da moça. No canal do Youtube, aproximadamente, 64 mil pessoas estão inscritas e assistem aos vídeos que a influenciadora publica. Além de tratar de assuntos como relacionamento e autoestima, Mica gosta de fazer esquetes de humor que exploram o universo feminino com leveza e veracidade. “Graças aos vídeos, fui chamada para participar de programas de televisão e apresentar um programa criado por mim, o SOS Pé na bunda.”

Mica confessa que nunca imaginou que escreveria um livro. Porém, diante do novo desafio, descobriu uma nova paixão e um outro universo, distante dos celulares e das câmeras. O primeiro livro, Manual da Fossa, foi uma surpresa para a escritora iniciante. “Até hoje, ainda me belisco. Entramos para a lista dos mais vendidos do Brasil algumas vezes. Foi incrível!”, comemora. Em uma breve passagem por Brasília para lançar o segundo livro, Amor (EX), Mica Rocha conversou com a Revista sobre a carreira e as redes sociais. Confira.


Você trabalha/trabalhou como blogueira, youtuber, apresentadora de televisão e escritora. Qual desses trabalhos te traz mais satisfação atualmente?

Todas eles se completam. Pulverizei o meu trabalho e isso é muito o que sou, pois adoro uma vida multitarefas. Não curto rotina certinha demais, então, sou feliz fazendo isso tudo.

Depois de exercer tantas profissões, como você se define profissionalmente?

Eu me defino como uma criadora de conteúdo que pode estar, ou não, mostrando sua cara ao público. Eu gosto do novo, do fresh, de criar coisas fora daquele normal que todo mundo vê. Eu coloco essa criação em livros, no canal, na tevê, nas publicidades das quais participo.

O bom humor sempre foi uma característica sua? Como você acredita que isso ajuda na sua relação com os seguidores/leitores?
O bom humor faz tudo ficar melhor. Não é rir de tudo nem de todos, mas é levar a vida de uma maneira mais leve, não se achar a última bolacha do pacote. Até porque ninguém é. Quem me acompanha gosta disso, gosta de chegar em casa e assistir a algo leve. Essa sou eu e sou bem feliz assim.

Falar sobre relacionamentos sempre foi algo que te interessou? Por quê?
Sim! Bastante! Sou filha de uma psicóloga que sempre adorou conversar muito em casa sobre tudo e, por isso, acho que desenvolvi essa vontade de falar, ouvir histórias, dar conselhos. O amor e as relações sempre foram tema na mesa de jantar, no bar, durante a adolescência. Sou fascinada pelo assunto.

Além dos relacionamentos, outro assunto recorrente nas suas postagens são os signos. De onde vem essa identificação com o tema?
Sabe que eu nem sei! Isso começou na brincadeira e virou uma das minhas marcas de humor. Sempre gosto de criar uma maneira nova de explorar o assunto relacionamentos e signos foi uma delas. Há uns anos, eu fazia minivídeos no Instagram, quando ainda eram só de 15 segundos. Meu conteúdo ficou relevante e eu tinha mais de 8 mil comentários por post. Uma loucura! Hoje, bastante gente está fazendo esse formato, mas sinto que precisamos pensar bem à frente, de uma maneira nossa, sem querer imitar ninguém.

Recentemente, você anunciou nas redes sociais que vai voltar à televisão com um programa sobre pedidos de casamento. O que você pode nos contar sobre o Pedidos incríveis?

Primeiro, preciso dizer que estou muito feliz. A tevê é outro lado do meu trabalho que adoro fazer. Gosto de apresentar, de entrevistar e de me divertir em frente à câmera. O Pedidos incríveis vai realizar o grande momento do pedido de casamento entre duas pessoas. Eu sou a apresentadora, quem costura o programa, entrevista, conhece mais a história da pessoa. Ainda temos quatro publicitários, donos de uma agência de pedidos, que vão criar o momento perfeito para os apaixonados. Os pedidos são totalmente surpresa, nada de programa arranjado, por isso, será muito emocionante e verdadeiro. Estou muito animada para começar a gravar e espero que toque o coração de quem assiste. O programa vai passar na FOX Life.

Você tem um canal no youtube e trabalha como apresentadora de televisão. Quais são as diferenças entre as duas plataformas?
Eu me considero a mesma nas duas plataformas, mas na tevê o roteiro é mais elaborado e o timing de gravação é diferente. Eu ainda sinto a televisão um pouco medrosa. Assistimos a programas muito engessados, mas isso está mudando. Tem que mudar! As pessoas querem conteúdos reais, sem alguém forçando.

Qual o papel das redes sociais na sua vida?
É uma forma de comunicação, de interação e uma plataforma de trabalho. As redes são tudo na minha profissão, meu instrumento de pesquisa, medidor de aprovação sobre os conteúdos, são meus seguidores que ditam o rumo do meu trabalho. Eu gosto muito das redes sociais. Recebo muitas mensagens de pessoas que são ajudadas diariamente por uma palavra, por um assunto, por uma palhaçada que faço. Você pode fazer a diferença na vida das pessoas e isso me encanta.

Como você se sente por ser vista como amiga e confidente por tantas pessoas?

Gosto muito, mas tomo cuidado para não ser vista como a que se acha “perita em assuntos amorosos”. Sinto que minhas experiências podem ajudar outras pessoas e é daí que eu parto. Não fico me colocando como a boazona que sabe tudo. Aliás, aprendo muito com as pessoas. É uma supertroca.

Como você lida com a exposição da sua vida nas redes sociais? O que você não gosta de compartilhar?
Eu me exponho, mas não preciso expor meu marido o tempo todo nem o que estou fazendo 24 horas por dia. Gosto mais do conteúdo do que ficar falando de mim, mas a exposição é inevitável.

Dizem que as redes sociais criam uma “falsa” relação de proximidade. Você percebe isso com os seus seguidores?
Muitas pessoas enxergam assim, mas me sinto próxima às pessoas e sou bem apegada a elas. Minha relação é real e eu sou 100% fiel aos meus seguidores.

Como foi a escolha do tema para o Manual da fossa? Foi algo natural?

Foi, sim. Esse era, e ainda é, um assunto recorrente no meu dia a dia nas redes sociais. Acho que foi meu coração que apontou o tema.

Divulgação/Editora Benvirá
O Amor(EX) apresenta quatro histórias, de quatro mulheres, e cada uma tem uma lição. Como funciona isso?

Dividi o livro em quatro histórias, pois, como são 300 páginas, não quis deixá-lo pesado. O resultado é tão legal que as pessoas me falam que acabamde ler em dois ou três dias. Cada uma das personagens vive uma situação de dúvida no amor, na profissão, no casamento. As histórias se interligam, mas você não tem uma ordem certa para ler. O legal do livro é esse recado de que ninguém é 100% nada. Nem bom, nem ruim, nem super, nem nada. Nós somos as nossas escolhas, e elas, muitas vezes, podem não ser tão lindas assim.

Você pretende investir ainda mais na carreira de escritora e publicar mais livros?

Este ano vou lançar meu terceiro livro: o Manual do amor próprio, e gostaria de continuar escrevendo.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.