CAPA

Brasilienses se unem e cuidam de jardins, praças e hortas comunitárias

Humanizar os espaços urbanos é um desafio do mundo moderno. Iniciativas, muitas vezes individuais, porém, têm contagiado o coletivo. Em Brasília, vizinhos se unem para cuidar da praça, cultivar jardins ou criar hortas. Tudo pelo bem comum

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/06/2017 08:00 / atualizado em 09/06/2017 18:40

 Marcelo Ferreira/CB/D.A Press
 
Um dos grandes desafios dos urbanistas hoje é recuperar a escala humana das cidades. Enquanto arquitetos, engenheiros e políticos lidam com o problema e, às vezes, o ignoram, grupos de pessoas cuidam de espaços públicos e tentam, dessa forma, trazer pessoas para as ruas e para o convívio com a vizinhança. São pequenas iniciativas e intervenções no espaço público para melhorá-lo e torná-lo mais convidativo.


E que podem fazer a diferença se todos conhecerem e aderirem. “Um dos pontos-chaves da urbanização é a revalorização dos espaços públicos tradicionais”, expôs o arquiteto e urbanista dinamarquês Jan Gehl em palestra no Fronteiras do Pensamento, em outubro do ano passado.

O objetivo dessas iniciativas é transformar a cidade em um lugar para as pessoas, para o convívio ao nível dos olhos, para a qualidade de vida. Brasília tem fama de não ser uma cidade calorosa com quem chega e muitos consideram indispensável um carro para se locomover por ela. Em seu livro Cities for People, Gehl já citou a capital brasileira como um exemplo de cidade que representa o que pior pode ser feito em uma cidade: ruas e avenidas pensadas apenas para automóveis.

Para a arquiteta e urbanista Thaisa Comelli Dutra, doutoranda em urbanismo pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que estuda processos participativos no contexto de projetos urbanos, existem mil maneiras de trazer Brasília para uma escala mais humana, mas falta um debate mais aberto e sério com a sociedade, que produza projetos bons para todos. “A população precisa se mobilizar para conhecer projetos, participar de debates urbanos e tomar para si o poder e um direito que é de todos: o direito à cidade.”

A urbanista explica que a capital foi concebida a partir de paradigmas modernistas com os quais vêm consequências boas e ruins: “Brasília, para bem ou para mal, nunca será o Rio de Janeiro ou São Paulo. Dificilmente veremos no Plano Piloto a urbanidade e a densidade que possibilita o encontro na mesma intensidade que vemos em outras metrópoles brasileiras e do mundo. Estamos falando de uma cidade-jardim, com uma escala bucólica que a diferencia de todas as outras do mundo.”

Pequenas iniciativas, porém, tentam promover o encontro entre moradores. Uma forma de empoderamento dos cidadãos.
 

A praça é nossa

 Marcelo Ferreira/CB/D.A Press

Manoel Esteve Filho, 52 anos, é zelador e morador de um prédio no Setor Econômico do Sudoeste há quase duas décadas. Quando começou a trabalhar ali, lembra que era só barro. Alguns anos depois de conseguir o emprego, uma praça foi inaugurada em frente ao seu bloco. Mas era só calçada. Não tinha grama ou  plantas. Ele, alguns moradores e outros funcionários da quadra colocaram grama na praça. Depois, as árvores. “Fomos nós que plantamos essas palmeiras todas”, orgulha-se.

E Manoel continua, até hoje, cuidando de tudo. As mesmas latas de lixo estão lá há 16 anos. Os fundos furaram. Portanto, ainda que as pessoas tenham a consciência de jogar lixo no lixo, não adianta: vai cair no chão.

Ele junta tudo e deixa a praça limpa. As latas se degradaram, as árvores cresceram, mas a noção de cidadania de Manoel permaneceu. Quem passa por ali pode, inclusive, tomar um café no bloco dele. “Eu deixo a cadeira ali. É só chegar e sentar”, convida.

O zelador conhece tanta gente que alguns o cumprimentam, mas ele não tem certeza de quem são. “Vi muitos crescerem. Tinha menino de 10 anos que brincava na praça e hoje tem 26. São meus amigos. ” Já não há tantas crianças como antigamente. Nem por isso Manoel pensa em abandonar a praça. Até porque também faz uso dela. Há noites em que ele e alguns amigos preparam churrasco. Muito respeitosos, nunca receberam reclamação de barulho.

Outros zeladores e moradores ajudam Manoel. Um dos mais ativos é Ciro Jitiako, 62, aposentado. Ele não mora no mesmo prédio que Manoel, mas, da janela, também consegue observar a praça. Vive ali há 12 anos.

Quando se mudou para a região, ainda trabalhava, portanto, o tempo era mais limitado. Aparecia no fim do dia e tentava dar uma mão a Manoel. “Eu sempre caminhei muito por aqui. Passava, via o lixo e ia juntando”, conta. Hoje, quase não vê mais lixo no chão e acredita que tem uma parcela de responsabilidade nisso.

Do outro lado da rua, há um grande gramado, que costumava ser depósito de entulho. Ele e Manoel se engajaram para tentar tirar tudo. Manoel levou até foice. “Eu acho que o poder público tem que dar esses espaços pra gente, é nossa responsabilidade cuidar dele. Se nos revezarmos, o trabalho não fica pesado pra ninguém”, opina Ciro. Segundo ele, sempre que alguém passa e vê os dois cuidando do local, diz que depois volta para ajudar. Quase ninguém cumpre a promessa, mas ele mantém a fé.
 

Plantando o que come


Tudo começou com uma horta pequena em um caixote de madeira. O porteiro Albertino Gabriel da Silva, 38, cresceu na Paraíba aprendendo a plantar de tudo. “Eu adoro mexer com terra e uma moradora sempre sugeria que plantássemos aqui”, lembra. Morador de Águas Lindas, também tem uma horta em casa. Depois da pequena plantação, o síndico se animou e resolveu aumentar. Embora seja uma iniciativa de um único bloco, qualquer pessoa pode pegar o que quiser, com bom senso, claro.
 Marcelo Ferreira/CB/D.A Press

A moradora em questão é Soledade Canavarro Pena Chaves, empresária. Antes de se mudar para esse bloco, no qual mora há 25 anos, sempre viveu em casa e sentia falta de ter mais verde e, principalmente, de poder se alimentar daquilo que colhe. Quando para o carro na garagem, passa na horta e retira couve para fazer um suco verde para ela e a filha. Simples e saudável. Quase todo dia, retira alguma coisa. Soledade também já contribuiu com muita semente. E não se cansa. Vira e mexe, compra algo para incrementar a horta.

Já tem quase um ano que a pequena horta se tornou grande. Hoje, colhe-se ali cebola, coentro, salsa, alho, alho-poró, rúcula, alface, tomate, couve, boldo, alecrim, poejo, marcelinha, citronela e muito mais. Dos 24 apartamentos do prédio, Gabriel calcula que moradores de 18 costumam se servir das plantas. Ele traz o almoço de casa e tempera lá. “No início, plantar tudo deu trabalho. Agora é só regar”, conta. Usam adubo e plantas que servem como inseticidas naturais. “Se for pra colocar agrotóxico, então, é mais fácil comprar no supermercado. Está todo mundo ficando doente por causa disso”, reclama.

Para Gabriel, as maiores vantagens de plantar o que se come é se alimentar de mais produtos naturais e ter tudo fresco e orgânico à mesa. Como exemplo, cita a filha de 5 anos. Acostumada a consumir tudo o que vem da horta, ela bate um prato de salada feliz e sem reclamar. O porteiro ainda aponta um benefício a mais: “Gosto de plantar nem tanto para comer. Adoro ver as coisas crescerem e ficarem bonitas.” Do outro lado da horta, ainda há uma plantação de abóboras. “Teve época que tinha mais de 20 abóboras aí,”

Cultivando amigos


 Marcelo Ferreira/CB/D.A Press
A enfermeira Ikuyo Nakamura, 63, admite que achou que morreria de tanto tédio quando se aposentou. Arrumou, no entanto, muitas atividades para o tempo livre. Uma delas é cuidar de uma horta localizada na área externa do Parque do Bosque do Sudoeste. Quem passasse por ali há três anos, só veria um terreno baldio, com materiais de construção jogados. Dona Ikuyo dá o devido crédito a quem começou a horta. “Era um morador da 301. Deu um duro danado aqui. Infelizmente, ele se mudou.” Desde então, o local foi deixado aos cuidados de Ikuyo e de diversos outros amigos, que se revezam. Cada um tem seu dia de regar as plantas.

Em julho, faz dois anos que Ikuyo se engajou na causa. Antes, não entendia nada de plantação. Aos poucos, foi aprendendo as peculiaridades de cada planta. A horta, porém, não lhe trouxe só conhecimento e muitas delícias para temperar e fazer chás, proporcionou também uma vida social ainda mais divertida. Toda primeira noite de lua cheia, o grupo faz um luau ali. Também organiza festas fora dali, para dançar e se divertir. “Isso aqui virou um ponto de referência para muita gente. Também acolhemos muita gente solitária, que chega a Brasília e não conhece ninguém.”

Do outro lado da rua, Nivaldo Rodrigues de Melo, 55, servidor público, já havia plantado algumas árvores. Atravessou a pista e passou a ajudar com a horta e com o jardim também. Para ele, é uma forma de agregar as pessoas. Faz parte do cotidiano dele cuidar da natureza e ter uma vida mais sustentável: vai de bicicleta ao trabalho e passa na horta tanto na ida quanto na volta. “Quando a comunidade se une, é muito melhor. As pessoas têm uma cultura individualista. Se essas hortas e jardins fossem ampliados para toda a cidade, em todas as quadras, isso mudaria. Não adianta só esperar do poder público.”

Nivaldo, Ikuyo e todos os outros incrementaram muito a horta. Plantaram flores em forma de mandala. Procuraram auxílio de um grupo de agricultura urbana. Aprenderam truques para manter a umidade do solo por mais tempo e, dessa forma, gastar menos água. Conseguiram afastar os lagartos da plantação só com o cultivo das plantas corretas. E têm quase diariamente que lidar com roubo de mudas. São muitos desafios, mas nenhum como o atual: o da falta de água.
 

Vizinhança que rega unida...

 Marcelo Ferreira/CB/D.A Press

Em tempos de racionamento, há quem passe pela horta, enquanto é regada, e vocifere alguns desaforos. Consideram desperdício. Até alguns meses atrás, o grupo usava um hidrômetro disponível ali, mas ele foi retirado e, agora, os moradores precisam levar água em garrafas. Segundo o Instituto Brasília Ambiental (Ibram), responsável pelo Bosque do Sudoeste, o hidrômetro tinha sido instalado pela empresa que construiu o parque e o desligamento foi solicitado assim que a obra terminou. Por um engano da Caesb, porém, ele ficou. Ao descobrir que o relógio ainda estava sendo usado, a água foi cortada.

Dona Ikuyo pede água a todos que passam. O pequeno Francisco Nunes, 5 anos, passeava com a babá, Maria Mendes de Souza, 43, quando viu a movimentação por ali. Interessou-se e voltou no dia seguinte com uma garrafa de água para regar as plantas. Não tinha quem não se derretesse com a cena. Ele ainda usava uma camiseta que dizia: “Proteja a natureza. Sua ajuda é importante com certeza”.

A mãe de Francisco, a servidora das Nações Unidas Giovana Nunes, 42, conta que a família decidiu morar ali exatamente por ser um lugar que propicia o cuidado da natureza. “Nosso prédio também tem uma hortinha. Muita gente planta no parquinho da nossa quadra. E não é de ninguém, é de todo mundo. Costumo explicar para ele que a gente tem que cuidar, tirar o lixo.”

Nem todos, porém, pensam assim. Enquanto uns levam água para ajudar, outros reclamam quando veem plantas serem regadas. “As pessoas não entendem que isso aqui é para todos”, diz Ikuyo.

Rogério Lúcio Viana, coordenador do Programa de Agricultura Urbana do Emater-DF, está familiarizado com o problema. “A questão de usar água potável em um jardim, em vez de para uso mais nobre, que é a sede, gera polêmica”, explica. O ideal, segundo ele, seria um sistema de captação de água, mas ele pode ser muito caro. “Temos um projeto encaminhado para a Adasa para uma horta ao lado da Igreja Messiânica. A proposta é fazer a coleta de água do telhado e instalar um poço, mas é um projeto de cerca de R$ 150 mil”, exemplifica.

Para Viana, com a maior procura das pessoas por alimentação saudável, por produtos naturais e sem agrotóxico, as hortas comunitárias se tornaram uma ótima opção. E as vantagens não param aí. Ele acredita que é uma forma de estimular quem não tem costume de comer esses alimentos a fazê-lo. “O que observamos é que também vira um ponto de convivência com a família e traz um espírito de vizinhança que falta em Brasília. Sem falar nos aspectos indiretos: é uma boa vitrine para educação ambiental, reciclagem de lixo composto orgânico para usar de adubo.”

Mentalidade coletiva


Na SQN 416, foi criada uma consciência coletiva forte. Do costume de fazer festa para as crianças, vieram novas iniciativas, como a de cultivar uma horta para todos. A ideia veio de Ronaldo Weigand, 50, consultor na área de meio ambiente, e de sua mulher. Ele conta que ela já tinha o costume de fazer a chamada “jardinagem de guerrilha”. “Ela cuidava de alguns canteiros pela quadra”, conta Ronaldo.

O casal percebeu que podia fazer mais, principalmente porque já integravam um grupo da quadra engajado em fazer intervenções positivas nela, o Coletivo 416 Norte. Em julho de 2014, criaram a horta. No início, eram só quatro canteiros. Hoje, é bem maior. “Nossa lógica é a de qualificar a área pública”, explica Ronaldo. O projeto cresceu tanto que, no ano passado, ele nem precisou comprar verduras. Este ano, a situação ficou mais difícil por causa da seca e do racionamento de água. O consumo, segundo ele, é baixo, o equivalente ao gasto de uma só pessoa por dia. Mesmo assim, ficaram constrangidos e diminuíram o consumo.
 Marcelo Ferreira/CB/D.A Press

Na realidade, são duas hortas, uma de medicinais, com cerca de 40 espécies, e outra com variedades de verduras e legumes, como berinjela, almeirão, alface. Em geral, tem-se a seguinte ética: quem colabora colhe de tudo. Quem não, restringe-se às ervas e às plantas medicinais. Mais do que o consumo das plantas, o objetivo do Coletivo 416 Norte é incentivar o sentido de vizinhança. “Tem gente que diz que nossa felicidade vem 50% do nosso corpo, 10% da nossa vida profissional e 40% do convívio com a comunidade. Queremos colaborar com essa última parte”, explica Ronaldo.
 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Isabele
Isabele - 15 de Junho às 15:08
Conversa fiada. Ambientalistas de araque esses da SQN 416. Chamaram a Novacap para podar as árvores que faziam sombra demais... Agora foram destruídas, acabou o sonho de ver tucanos e passarinhos na janela.